Brasil

Lula diz que governo trabalha para assinar outras quatro terras indígenas

Nesta quinta-feira, 18, presidente assinou decretos para homologar duas terras indígenas

Brasil: nesta sexta-feira, 19, é comemorado o Dia dos Povos Indígenas (Carl de Souza/Getty Images)

Brasil: nesta sexta-feira, 19, é comemorado o Dia dos Povos Indígenas (Carl de Souza/Getty Images)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 19 de abril de 2024 às 06h46.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) assinou decretos para homologar duas terras indígenas nesta quinta-feira, 18, e disse que só não assinou mais quatro porque há pendências. Ele deu as declarações no Ministério da Justiça, em cerimônia de reabertura do Conselho Nacional de Política Indigenista - o órgão havia sido extinto em 2019, no governo de Jair Bolsonaro.

"Ricardo Lewandowski, ministro da Justiça me levou semana passada 6 terras indígenas para que eu assinasse hoje, na frente de vocês. E nós decidimos assinar só duas. Eu sei que isso frustrou alguns companheiros e algumas companheiras, mas eu fiz isso para não mentir para vocês", disse o presidente da República.

"Nós temos um problema, e é melhor a gente tentar resolver o problema antes de a gente assinar. Tem algumas terras possivelmente ocupadas por fazendeiros, outras por outras pessoas possivelmente pobres", disse Lula. Ele mencionou que há conversas com governadores sobre como desembaraçar esses territórios, sem precisar usar a força.

"Eu tenho que ter o cuidado de oferecer para essas pessoas uma possibilidade outra para que vocês possam entrar tranquilamente na terra", disse o petista. Lula disse que um governador envolvido não quis conversar com a ministra dos Povos Indígenas, Sonia Guajajara, mas não disse o nome do político. "Vamos chamar esse governador aqui para ter uma conversa com ele e mostrar que nós precisamos resolver da melhor maneira possível", declarou ele. Se houver grileiros, por exemplo, o governo buscaria meios judiciais para esvaziar o terreno.

Lula também disse que mecanismos como o CNPI deveriam funcionar independentemente do presidente da República da vez. "São vocês que vão orientar o governo sobre as decisões de políticas sobre povos indígenas que vamos colocar em prática", declarou Lula.

As terras indígenas assinadas pelo presidente da República nesta quinta foram Aldeia Velha (BA) e Cacique Fontoura (MT). O petista foi eleito em 2022 com diversos acenos à causa indígena. Prometeu, em sua campanha, retomar a demarcação de terras. Ele já havia assinado decretos de homologação de oito em 2023: Arara do Rio Amônia (AC), Kariri-Xocó (AL), Rio dos Índios (RS), Tremembé da Barra do Mundaú (CE), Uneiuxi (AM), Avá Canoeiro (GO), Acapuri de Cima (AM) e Rio Gregório (AC).

Também estavam presentes na cerimônia os ministros Ricardo Lewandowski (Justiça), Sonia Guajajara (Povos Indígenas), Rui Costa (Casa Civil), Jorge Messias (Advocacia Geral da União), Marina Silva (Meio Ambiente) e Paulo Teixeira (Desenvolvimento Agrário).

Acompanhe tudo sobre:Ministério dos Povos IndígenasIndígenasLuiz Inácio Lula da Silva

Mais de Brasil

RS: eleitor tem até quinta-feira para regularizar ou transferir título

Governo flexibiliza Lei de Licitações para casos de calamidade como o Rio Grande do Sul

Sobe para 157 número de mortos devido às fortes chuvas no RS; veja serviços parados

Fortes chuvas devem atingir Sul e Nordeste; RS deve enfrentar frio intenso

Mais na Exame