Acompanhe:

Justiça de São Paulo acata pedido da Prefeitura e proíbe greve de médicos

O Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp) havia aprovado a greve em assembleia na semana passada

Modo escuro

Continua após a publicidade
Médicos: A liminar estabelece que a categoria deve permanecer em atividade, sob pena de multa diária de 600 mil reais em caso de descumprimento (Benoit Tessier/Reuters)

Médicos: A liminar estabelece que a categoria deve permanecer em atividade, sob pena de multa diária de 600 mil reais em caso de descumprimento (Benoit Tessier/Reuters)

R
Reuters

Publicado em 18 de janeiro de 2022 às, 20h13.

Última atualização em 18 de janeiro de 2022 às, 20h23.

A Justiça de São Paulo concedeu nesta terça-feira liminar que suspende a paralisação convocada por profissionais de saúde da rede pública da capital paulista para quarta-feira, considerando os possíveis prejuízos para a população pela greve em meio à pandemia de Covid-19, informou a Secretaria Municipal de Saúde.

O Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp) havia aprovado a greve em assembleia na semana passada. A categoria alega que os profissionais estão sofrendo de exaustão diante da disparada da Covid provocada pela variante Ômicron e pelo afastamento de colegas contaminados pelo vírus. Os profissionais querem que a prefeitura contrate imediatamente mais equipes e garanta condições mínimas de trabalho, entre outras demandas.

Uma reunião na véspera entre o sindicato e a secretaria terminou sem acordo, o que levou as autoridades municipais a recorrerem à Justiça para evitar a paralisação. Segundo a secretaria, demandas dos profissionais de saúde foram atendidas, como promessa de pagamento de banco de horas e a contratação de mais profissionais.

"A gestão municipal obteve na tarde desta terça-feira liminar que suspende a paralisação que o Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp) havia convocado. A ação movida pelo município visa manter a assistência em saúde à população em um momento crucial de enfrentamento da pandemia de Covid-19", disse a secretaria em nota.

A secretaria acrescentou que a decisão assinada pelo vice-presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP), Guilherme Gonçalves Strenger, alerta para os "graves prejuízos que podem ser causados à população pela paralisação".

A liminar estabelece que a categoria deve permanecer em atividade, sob pena de multa diária de 600 mil reais em caso de descumprimento, de acordo com a secretaria.

O Simesp não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

Últimas Notícias

Ver mais
PSDB-SP adia escolha de novo presidente; participação na disputa pela capital está indefinida
Brasil

PSDB-SP adia escolha de novo presidente; participação na disputa pela capital está indefinida

Há 20 horas

Agricultores espanhóis bloqueiam estradas perto da fronteira com a França
EXAME Agro

Agricultores espanhóis bloqueiam estradas perto da fronteira com a França

Há 21 horas

Comissão de Segurança do Senado realiza audiência secreta para discutir incidente em Mossoró
Brasil

Comissão de Segurança do Senado realiza audiência secreta para discutir incidente em Mossoró

Há 22 horas

Bolsonaro presta depoimento na PF sobre importunação à baleia nesta terça-feira
Brasil

Bolsonaro presta depoimento na PF sobre importunação à baleia nesta terça-feira

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais