Brasil

João Santana diz que Dilma prometeu "sistema" para campanha

Segundo o marqueteiro, a ex-presidente teria marcado um encontro para "tranquilizá-lo" sobre a forma de custear a campanha de 2014

Dilma: "Ela disse: 'Eu quero primeiro lhe tranquilizar em relação à campanha de 2014. Eu estou criando um sistema que você pela primeira vez poderá ser pago até antecipadamente'", relatou Santana (Reuters/Reuters)

Dilma: "Ela disse: 'Eu quero primeiro lhe tranquilizar em relação à campanha de 2014. Eu estou criando um sistema que você pela primeira vez poderá ser pago até antecipadamente'", relatou Santana (Reuters/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 12 de maio de 2017 às 15h48.

Brasília - O marqueteiro João Santana afirmou, em delação premiada, que a ex-presidente Dilma Rousseff teria assumido o "controle da gestão financeira" da campanha eleitoral de 2014.

Segundo Santana, a ex-presidente teria marcado um encontro, no início de 2014, para "tranquilizar" o marqueteiro sobre a forma de custear a campanha, que passaria a ser gerenciada pelo então ministro da Fazenda Guido Mantega.

"Ela disse: 'Eu quero primeiro lhe tranquilizar em relação à campanha de 2014. Eu estou criando um sistema que você pela primeira vez poderá ser pago até antecipadamente'", relatou Santana.

O sistema, descreve o delator, excluiria o então tesoureiro do PT João Vaccari Neto.

A presteza prometida não teria, no entanto, se concretizado, conforme explica o marqueteiro: "Era para entrar o dinheiro, e o Guido não conseguiu viabilizar.

Foi paga uma parte, mas não com a presteza e a antecipação com que havia sido garantido".

João Santana e a mulher, Mônica Moura, foram responsáveis pelas campanhas do PT à Presidência da República em 2006, 2010 e 2014.

A colaboração de Santana e de Mônica Moura, além de André Santana, funcionário do casal, foi assinada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Nesta sexta-feirav 12, o Supremo divulgou os vídeos com os depoimentos do casal.

Procurada nesta sexta-feira, a assessoria da ex-presidente Dilma não se manifestou.

Na quinta, após o STF retirar o sigilo dos depoimentos, a assessoria de imprensa de Dilma disse que "João Santana e Mônica Moura prestaram falso testemunho e faltaram com a verdade em seus depoimentos, provavelmente pressionados pelas ameaças dos investigadores".

Acompanhe tudo sobre:CorrupçãoDilma RousseffJoão SantanaOperação Lava Jato

Mais de Brasil

TJ derruba liminar e destrava programa habitacional de Ricardo Nunes em SP

Congresso derruba vetos de Lula e volta a proibir 'saidinha' de presos

Governo consegue acordo com Congresso e veto em calendário de emendas é mantido

Tarcísio diz que Haddad tem ‘ajudado muito’ em discussão sobre renegociação da dívida dos estados

Mais na Exame