Acompanhe:

Imprensa internacional repercute afundamento de porta-aviões no Brasil: "bomba ambiental"

Marinha deu início ao naufrágio controlado do navio São Paulo, a 350 quilômetros costa brasileira e carregado de amianto

Modo escuro

Continua após a publicidade
Porta-aviões: afundamento pela Marinha começou de vez na sexta-feira (Greenpeace/Divulgação)

Porta-aviões: afundamento pela Marinha começou de vez na sexta-feira (Greenpeace/Divulgação)

A
Agência O Globo

Publicado em 4 de fevereiro de 2023 às, 11h44.

A Marinha do Brasil deu início nesta sexta-feira ao afundamento do porta-aviões desativado, batizado de "São Paulo". A solução encontrada para a embarcação, carregada de amianto e outros materiais tóxicos, causou reação de ambientalistas e repercutiu na imprensa internacional.

O navio começou a ser naufragado a 350 quilômetros costa brasileira, na altura de Pernambuco, após cinco meses de polêmicas e incertezas.

O espanhol "El País" descreveu as idas e vindas sobre o que fazer com o navio como um "verdadeiro pesadelo para a Marinha do Brasil". A embarcação chegou a ser comprada por um grupo turco, foi levada para o país europeu, mas impedida de atracar. O porta-aviões então teve que retornar à costa brasileira.

"O maior navio da frota brasileira era pura sucata. Uma bomba ambiental com toneladas de amianto e outros componentes tóxicos", diz o El País.

O americano "The New York Times" lembrou que o navio passou meses sendo rebocado em círculos enquanto sua condição se deteriorava. E destacou que o "material tóxico a bordo do São Paulo pode perturbar os ecossistemas, matar animais e plantas e envenenar as cadeias alimentares marinhas com metais pesados".

O "The Guardian", do Reino Unido, ressaltou que grupos ambientalistas - Basel Action Network, Greenpeace e Sea Shepherd - acusaram o governo brasileiro de ter violado “três tratados internacionais” sobre o meio ambiente ao afundar o navio. E também ressaltou que essas entidades fizeram apelos ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que prometeu reverter a crescente destruição ambiental quando assumiu o cargo no mês passado.

O alemão "Deutsche Welle" afirmou que a embarcação "havia se transformado em um navio fantasma enquanto navegava sem rumo pelo Atlântico nos últimos cinco meses". E o francês "Le Figaro" classificou a carga do porta-aviões como um "pacote tóxico de 30.000 toneladas" dentro de um casco velho e degradado.

A "France TV" também destacou que, além de amianto, há dentro do navio "um coquetel dos metais mais perigosos usados ​​na década de 1950. Amianto, mercúrio, tintas, resíduos de hidrocarbonetos e PCBs (bifenilas policloradas)".

Por que a Marinha decidiu afundar o porta-aviões

Nesta quarta, o Ministério da Defesa, a Advocacia-Geral da União (AGU) e a Marinha comunicaram que o casco do navio (assim chamado, por não funcionar mais como porta-aviões) será afundado em alto mar. Há duas semanas, depois dos compradores turcos abandonarem o navio, a Autoridade Marítima Brasileira (AMB) assumiu o controle administrativo da embarcação e iniciou o seu transporte a um ponto a 350 quilômetros da costa brasileira, a fim de não prejudicar a navegação em território brasileiro.

Desde outubro do ano passado a então proprietária do porta-aviões, a SOK Denizcilik, tenta atracar no Brasil. Mas, sob suspeita de alta quantidade de amianto a bordo - estima-se cerca de 9 toneladas do produto, que é tóxico - os portos brasileiros não deram autorização para o atracamento. Três meses antes, o navio saiu do Brasil rumo à Turquia, onde seria desmanchado e vendido para reciclagem, mas diante dos protestos de ativistas, o governo turco cancelou a importação do navio, temendo os riscos ambientais.

Sem uma solução definida, a SOK comunicou o Ibama, no início de janeiro, que iria abandonar navio e, dias depois, renunciou à propriedade. Nesse contexto, a Marinha realizou uma inspeção no casco e constatou uma série de irregularidade além de atestar que a flutuabilidade estava comprometida, o que acarretava em risco de encalhe. Segundo o comunicado desta quarta, "não sobrou alternativa ao Estado brasileiro a não ser considerar o bem como perdido, nos termos da Lei nº 7.542/1986, e assumir o controle administrativo do casco, de modo a evitar danos ao meio ambiente e preservar a segurança da navegação".

O desfecho da história agora será o afundamento do porta-aviões.

"Diante dos fatos apresentados e do crescente risco que envolve a tarefa de reboque, em virtude da deterioração das condições de flutuabilidade do casco e da inevitabilidade de afundamento espontâneo/não controlado, não é possível adotar outra conduta que não o alijamento do casco, por meio do afundamento planejado e controlado", informou a nota da Marinha, Ministério da Defesa e AGU.

Segundo o comunicado, a escolha da área do afundamento se baseou em parâmetros como localização fora de área de proteção ambiental, com profundidade maior que 3 mil metros, estar dentro da Zona Econômica Exclusiva do Brasil, mas livre de interferência com cabos submarinos documentados, ou projetos de parques eólicos. O governo ainda afirmou que tomará "todas as medidas extrajudiciais e judiciais cabíveis, com a finalidade de mitigar, reparar e salvaguardar os interesses do Estado Brasileiro".

Nesta terça, a Folha de S. Paulo noticiou que uma empresa saudita teria feito uma oferta de R$30 milhões pelo navio, um valor três vezes maior do que a SOK pagou em leilão de 2021. Procurada, a Capitania dos Portos de Pernambuco negou que essa oferta tenha ocorrido.

Retorno do porta-aviões foi vetado

Um relatório feito no ano passado apontou que o porta-aviões possui 9,6 toneladas de amianto, uma substância tóxica e cancerígena. O mesmo relatório admitiu que só foi possível vistoriar 12% dos compartimentos, e há suspeita de que exista mais amianto do que o declarado. Por isso, em outubro passado, a Agência de Meio Ambiente de Pernambuco recomendou que a embarcação não atracasse em Suape, e a Autoridade Portuária, em seguida, negou a autorização.

A presença de substâncias potencialmente tóxicas foi, desde o início, o motivo da polêmica envolvendo o transporte do porta-aviões. Por outro lado, a Marinha já respondeu que "na década de 1990, uma ampla desamiantação dos compartimentos da propulsão, catapulta, máquinas-auxiliares e diesel geradores, culminando com a retirada de aproximadamente 55 toneladas de amianto". Ainda assim, ativistas e governos da Europa se manifestaram contra a entrada da embarcação, e por isso ela precisou voltar ao país.

Em nota divulgada há suas semanas, o Ibama afirmou que não há carga tóxica sendo transportada pelo porta-aviões, e que o risco ambiental só se configuraria se a estrutura afundasse. O instituto, que foi o responsável por autorizar a exportação do casco no ano passado, defendia que o navio fosse exportado " para um país com estaleiro credenciado junto à Convenção de Basileia, a fim de realizar reciclagem segura para o meio ambiente".

Segundo o Ibama, o governo turco autorizou a importação, em maio do ano passado, após a análise de "laudos e relatórios produzidos por empresas especializadas". No entanto, "após decisão judicial de primeira instância relacionada a questionamentos sobre o leilão da embarcação", a autorização foi cancelada pelos turcos e , então, o Ibama também suspendeu sua autorização de exportação.

Entenda a saga do porta-aviões

  • O porta-aviões foi vendido, em leilão, em 2021, para ser destinado à reciclagem. A empresa turca Sok pagou R$10,5 milhões pela embarcação, mas desde então enfrentou dificuldades para conseguir realizar o transporte até o estaleiro na Turquia.
  • 30 de maio de 2022: É concedida autorização para "exportação com condições" por parte do governo da Turquia
  • 7 junho: O Ibama autoriza a exportação do porta-aviões
  • 4 de agosto: O porta-aviões inicia viagem rumo à Turquia. Horas depois, a justiça federal profere liminar para que o navio retorne, Segundo a Ocean prime, o navio já estava em águas internacionais quando a decisão foi informada
  • 9 agosto: Autoridades turcas pedem informações sobre decisão judicial que impedia a exportação, e um novo inventário de materiais perigosos a bordo.
  • 18 de agosto: A justiça federal, após recurso da União e da Marinha, revogou a decisão liminar que pedia o retorno do navio. O Ibama, então, responde à Turquia que não havia objeção judicial à exportação.
  • 26 agosto: A Turquia decide cancelar autorização para exportação. Em seguida, o Ibama comunica a Ocean Prime sobre a decisão e suspende a sua autorização
  • 30 agosto: O Ibama reafirma às autoridades turcas que não havia pendência judicial contra a exportação, mas diz que acata a decisão do cancelamento da exportação. O instituto ainda pede para que o governo turco compartilhe se a Convenção de Basileia (organização internacional que trata de exportação de amianto) tomou alguma medida legal sobre o assunto
  • 7 de setembro: O rebocador holandês mudou o itinerário da viagem, e iniciou o retorno ao Rio de Janeiro
  • 2 de outubro: O porta-aviões volta ao Brasil mas não recebe autorização para atracar no Porto de Suape (PE). Governo Pernambucano impede entrada por causa de riscos ambientais
  • 22 de dezembro: MSK e Sok notificam ONU e governos estrangeiros em busca de solução para o porta-aviões
  • 10 de janeiro: Proprietárias informam que se o navio não puder atracas, renunciariam à propriedade
  • 11 de janeiro: Justiça profere decisão para proibir que o navio seja abandonado em alto-mar
  • 19 de janeiro: Marinha exige que o navio se afaste da costa, devido ao risco de afundamento
  • 1 de fevereiro: Governo anuncia que porta-aviões será afundado

Navio foi comprado da França nos anos 2000

A reconstituição da saga do navio, comprado da França pelo Brasil nos anos 2000 e que teria navegado só 206 dias no Brasil, mostra como o porta-aviões se tornou tecnologicamente defasado e com potencial poluente.

A Marinha cogitou outro destino para o São Paulo. Em 2019, após desistir de um projeto de modernização que custaria R$1 bilhão, procurou especialistas para traçar alternativas de descarte ou reutilização para o porta-aviões São Paulo, na época recém-desativado.

Quando ainda era da França, o porta-aviões esteve em frentes de batalha na África, no Oriente Médio e na Europa. A embarcação tem 266 metros de comprimento e 32,8 mil toneladas.

Pelo contrato firmado com a França, o São Paulo precisaria ser esvaziado para ser revendido. Os gastos para transportar a embarcação, que, desativada, passa a ser oficialmente “casco de navio”, atingem a casa dos milhões de dólares.

Últimas Notícias

Ver mais
Mortes por dengue chegam a 113 no país; 438 óbitos são investigados
Brasil

Mortes por dengue chegam a 113 no país; 438 óbitos são investigados

Há 13 horas

Moraes mantém depoimento de Bolsonaro e nega acesso à delação de Cid
Brasil

Moraes mantém depoimento de Bolsonaro e nega acesso à delação de Cid

Há 13 horas

Lewandowski autoriza envio da Força Nacional para Mossoró, onde os fugitivos estariam escondidos
Brasil

Lewandowski autoriza envio da Força Nacional para Mossoró, onde os fugitivos estariam escondidos

Há 14 horas

Desenrola das empresas pode ter 8 milhões de beneficiados, diz Márcio França
Brasil

Desenrola das empresas pode ter 8 milhões de beneficiados, diz Márcio França

Há 15 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais