Ibama aplica R$ 105,7 milhões em multas por plantio ilegal de grãos

No total 62 autos foram emitidos contra empresas e produtores rurais que plantam, comercializam, financiam ou intermedeiam produtos agrícolas dessas áreas

Agronegócio: de acordo com o Ibama, mais de 5 mil toneladas de grãos foram apreendidos durante a operação (Ty Wright/Bloomberg/Bloomberg)

Agronegócio: de acordo com o Ibama, mais de 5 mil toneladas de grãos foram apreendidos durante a operação (Ty Wright/Bloomberg/Bloomberg)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 23 de maio de 2018 às 13h11.

Brasília - O Ibama emitiu 62 autos de infração contra empresas e produtores rurais que descumpriram embargos de áreas ilegalmente desmatadas nos Estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. As multas totalizam R$ 105,7 milhões.

O alvo foram pessoas e empresas que plantam, comercializam, financiam ou intermedeiam produtos agrícolas dessas áreas. As autuações fazem parte da Operação Shoyo, iniciada em 2016, em parceria com o Ministério Público Federal (MPF).

O alvo da operação foi uma região de Cerrado que pega os Estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, uma região conhhecida como "Matopiba". Por meio de nota, o Ibama informou que, a partir do cruzamento de dados feoespaciais, foram identificados 60 polígonos com embargos descumpridos.

As ilegalidades estavam associadas a 78 pessoas físicas e jurídicas e 77 imóveis. Produtores rurais foram autuados por descumprir embargos em 40 propriedades, impedir a regeneração natural em outras 14 e comercializar produtos de origem vegetal produzidos em áreas embargadas de dez imóveis rurais.

Cinco tradings foram multadas em R$ 24,6 milhões por adquirir 49.205 sacas de 60 kg de soja produzida em áreas embargadas pelo Ibama. Durante a investigação foi constatado que a compra antecipada de grãos financiou a atividade ilegal.

Segundo o Ibama, foram apreendidas até o momento 84.024 sacas de grãos durante a operação, o que corresponde a 5.041 toneladas. O MPF vai propor ação civil pública para que os infratores reparem todos os danos ambientais causados pela atividade ilegal.

Em outubro de 2016, na primeira fase da Operação Shoyo, o banco Santander foi multado em R$ 47,5 milhões pelo Ibama por financiar o plantio de grãos em áreas da Amazônia que já estavam embargadas pelo órgão de fiscalização, por serem áreas de proteção ambiental. Na ocasião, o banco declarou que cumpria rigorosamente a legislação vigente e que adotava "as melhores práticas do mercado no que diz respeito às políticas socioambientais".

Mais de Brasil

Conflitos por terra batem recorde no Brasil no primeiro ano do governo Lula

Cármen Lúcia mantém condenação de Deltan por Power Point contra Lula

Risco fiscal está 'drenando oportunidades' do Brasil, diz Tarcísio

Fluxo de passageiros para o exterior cresce pelo 24º mês seguido mostra Anac

Mais na Exame