Brasil

Hospital demite funcionários por vídeo de funk feito no trabalho

Empregados fizeram uma gravação dançando o hit "Que Tiro Foi Esse", de Jojo Toddynho

De acordo com o hospital baiano, o vídeo foi feito durante o horário de trabalho e sem autorização dos superiores (YouTube/Reprodução)

De acordo com o hospital baiano, o vídeo foi feito durante o horário de trabalho e sem autorização dos superiores (YouTube/Reprodução)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 31 de janeiro de 2018 às 12h02.

Última atualização em 1 de fevereiro de 2018 às 11h14.

São Paulo — Quatro funcionários do Hospital Santa Izabel, da Santa Casa de Salvador, foram demitidos na última semana após gravarem um vídeo dançando a música "Que Tiro Foi Esse", de Jojo Toddynho. O vídeo foi publicado no YouTube.

De acordo com o hospital baiano, o vídeo foi feito durante o horário de trabalho e sem autorização dos superiores.

"A instituição entende que a gravação vai de encontro a um dos pilares da existência da Santa Casa, que é o atendimento de excelência ao paciente. O vídeo mostra funcionários em horário de trabalho, sem autorização expressa da instituição, fardados e que deixaram pacientes esperando pelos seus serviços para gravar um vídeo de humor. Centenas de pacientes são atendidos diariamente num hospital e, muitas vezes, a demanda por procedimentos é maior do que a capacidade, por isso, a dedicação e entrega da equipe é o que faz a diferença em um tratamento humanizado e de qualidade", informou a instituição em comunicado.

O hospital de Salvador ainda afirmou que as demissões foram feitas "dentro das normas legais, respeitando os direitos dos funcionários" e que não foram por justa causa.

Desde o lançamento de "Que Tiro Foi Esse", vídeos de anônimos e famosos fingindo ser alvos de tiros em locais públicos têm inundado as redes sociais.

https://www.youtube.com/watch?v=C2d_YKmXsd4

Acompanhe tudo sobre:DemissõesHospitaisMúsicaVídeos

Mais de Brasil

Linha 1-Azul do Metrô opera com velocidade reduzida nesta terça-feira

Formação de professor só poderá ter 50% de EAD, diz MEC

Após acordo sobre vetos de Bolsonaro, Congresso analisa vetos de Lula sobre saidinha

Crédito a empresas do RS deve ser de R$ 15 bilhões, diz governo

Mais na Exame