Brasil

Grande Belém tem maior proporção de casas precárias

São 291.771 casas onde vivem 53,9% da população, é a maior proporção de aglomerados subnormais do País

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 6 de novembro de 2013 às 20h28.

Rio - Com seis municípios e 2,1 milhões de habitantes, a Grande Belém tem a maior proporção de aglomerados subnormais do País. São 291.771 casas onde vivem 53,9% da população.

Na capital, são 66%. O quadro é consequência do estímulo à migração nos anos 1960 e 1970, diz a professora Sandra Cruz, da Universidade Federal do Pará (UFPA). "O governo dizia que ‘era muita terra para poucos homens’. A cidade cresceu desordenadamente."

As casas mais precárias, em geral palafitas, ficam em áreas alagadiças. "Traz rato, barata, mosquito. Meu neto recém-nascido teve de ir para casa de outro parente", diz a doméstica Izabel Santos, que vive no bairro de Canudos. Ela se queixa da falta de condições básicas.

Marituba, na Grande Belém, tem a mais elevada proporção de moradores em aglomerados subnormais do País inteiro: 77,2%. No Grande Recife, não há mais espaço para crescimento dos aglomerados.

Dos 249.432 domicílios precários, 60% distribuem-se em 13 cidades. A situação é bem diferente da Grande Salvador: lá, 94,9% dos 290.488 domicílios ficam na capital.

Acompanhe tudo sobre:BelémCasascidades-brasileirasImóveisPobreza

Mais de Brasil

Reforma tributária: relatório será entregue dia 3, após reunião geral com governadores

Chuvas no RS: 74 municípios sofreram danos por alagamentos e deslizamentos nos últimos 10 dias

UPA: o que você precisa saber para ser atendido

Passaporte brasileiro: quanto custa e como tirar

Mais na Exame