Brasil

Governo Tarcísio testará uso de IA para atualizar material didático de escolas de SP

Segundo a Seduc-SP, o fluxo editorial para a utilização da tecnologia similar ao ChatGPT e Bard ainda será testado, avaliado e validado para uma possível implementação

André Martins
André Martins

Repórter de Brasil e Economia

Publicado em 17 de abril de 2024 às 11h21.

Última atualização em 17 de abril de 2024 às 11h30.

A Secretaria da Educação do estado de São Paulo (Seduc-SP) afirmou nesta quarta-feira, 17, que planeja implementar um projeto-piloto para utilizar inteligência artificial na produção de material de aulas de alunos da rede estadual de ensino. A informação foi veiculada pela Folha de São Paulo e confirma pela EXAME com assessoria da pasta.

Segundo a Seduc-SP, o fluxo editorial para a utilização da tecnologia similar ao ChatGPT e Bard ainda será testado, avaliado e validado para uma possível implementação. O nome da plataforma que será utilizada pela secretaria não foi informado. A ideia da administração estadual é que a IA realize atualizações e aprimoramentos de material de aulas do terceiro bimestre dos anos finais do ensino fundamental e do ensino médio.

O plano da pasta é que as aulas que já foram produzidas por um professor curriculistas e que estão em uso na rede de ensino sejam aprimoradas pela IA, com a inserção de novas proposta de atividades, exemplos de aplicação prática do conhecimento e informações adicionais que enriqueçam as explicações de conceitos-chave de cada aula.

O conteúdo gerado, segundo a Seduc, será avaliado e editado por professores curriculistas antes de serem disponibilizados aos alunos.

"Esse conteúdo será avaliado e editado por professores curriculistas em duas etapas diferentes, além de passar por revisão de direitos autorais e intervenções de design. Por fim, se essa aula estiver de acordo com os padrões pedagógicos, será disponibilizada como versão atualizada das aulas feitas em 2023", disse a secretaria em nota.

A Seduc esclarece ainda que o uso da ferramenta não vai substituir professores curriculistas. Hoje, a governo estadual tem 90 professores responsáveis pelo material didático do estado. A estratégia da secretaria é ganhar agilidade e aumentar a produtivade com o uso da tecnologia, mas mantendo a qualidade do material.

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificialEscolassao-paulo

Mais de Brasil

Secretário de Turismo diz que 53% das atrações públicas do RS foram danificadas

Prefeito de Canoas diz que reconstrução de prédios públicos demanda mais de R$ 200 milhões

OPINIÃO: Nunca esqueceremos

Enchentes no RS: sobe para 155 o número de mortos; 94 pessoas seguem desaparecidas

Mais na Exame