Governo propõe R$ 80 mi de indenização no MS

Ministério da Justiça apresentou a produtores rurais e lideranças indígenas a proposta preliminar de indenização dos 15 mil hectares no Mato Grosso do Sul


	Índio durante protesto em Brasília: conflito fundiário entre produtores rurais do Mato Grosso do Sul e fazendeiros se acirrou ano passado
 (Wilson Dias/ABr)

Índio durante protesto em Brasília: conflito fundiário entre produtores rurais do Mato Grosso do Sul e fazendeiros se acirrou ano passado (Wilson Dias/ABr)

DR

Da Redação

Publicado em 7 de janeiro de 2014 às 19h27.

Brasília - O Ministério da Justiça apresentou, nesta terça-feira, 7, a produtores rurais e lideranças indígenas a proposta preliminar de indenização dos 15 mil hectares no Mato Grosso do Sul, que o governo pretende transformar em terras indígenas: as 30 fazendas receberiam, juntas, cerca de R$ 80 milhões. Os valores foram considerados baixos pelos fazendeiros e a negociação deverá continuar.

"Vamos avaliar se houve equívocos e, em caso positivo, fazer ajustes. Essa é uma construção coletiva, não existe fórmula mágica", afirmou o assessor especial do ministério da Justiça, Marcelo Veiga.

O conflito fundiário entre produtores rurais do Mato Grosso do Sul e fazendeiros se acirrou ano passado, depois de os índios terenas Osiel Gabriel e Josiel Gabriel Alves terem sido mortos.

A discussão tem como ponto de partida o plano do governo de ampliar de 2 mil para 17 mil hectares as áreas indígenas no Estado. A terra pretendida para esse fim, no entanto, está regularizada. Produtores rurais não aceitam a forma como o cálculo da indenização vem sendo realizado.

O Ministério da Justiça deverá apresentar para os produtores rurais dentro de 10 dias a metodologia usada para o cálculo, feito pela Fundação Nacional do Índio (Funai). De acordo com o assessor especial do ministro da Justiça, os valores médios por hectare giram em torno de R$ 6 mil. Das 30 fazendas que devem ser avaliadas, três se recusaram, num primeiro momento. Duas delas, no entanto, concordaram mais tarde em ser avaliadas. Uma ainda resiste.

A governadora em exercício do Mato Grosso do Sul, Simone Tebet, sugeriu que as contas fossem revistas, desta vez pelo Incra. "Como as terras não são indígenas, a atividade não precisa necessariamente ser feita pela Funai", avaliou.

Embora tenha dito estar satisfeita com o saldo da reunião desta terça, a governadora afirmou que as negociações têm de ser feitas de olho no relógio. "Vivemos atualmente um momento de relativa paz na região. Mas não podemos perder o tempo. Não podemos errar, mas temos de correr", avaliou.

Fazendeiros reivindicam que a compensação pelas terras seja calculada com base tanto nas melhorias feitas pelos fazendeiros como pelo preço de mercado terra.

Mais de Brasil

Conflitos por terra batem recorde no Brasil no primeiro ano do governo Lula

Cármen Lúcia mantém condenação de Deltan por Power Point contra Lula

Risco fiscal está 'drenando oportunidades' do Brasil, diz Tarcísio

Fluxo de passageiros para o exterior cresce pelo 24º mês seguido mostra Anac

Mais na Exame