Brasil

Governo edita MPs para aderir a programa global de vacinas contra covid-19

Adesão permitirá o acesso ao portfólio de nove vacinas contra covid-19 em desenvolvimento, além de outras em análise

Covax Facility: consórcio global de governos e fabricantes impulsiona o desenvolvimento de vacinas contra a covid-19 (Marcos Solivan/Sucom-UFPR/Divulgação)

Covax Facility: consórcio global de governos e fabricantes impulsiona o desenvolvimento de vacinas contra a covid-19 (Marcos Solivan/Sucom-UFPR/Divulgação)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 24 de setembro de 2020 às 22h09.

Última atualização em 25 de setembro de 2020 às 07h06.

O governo federal editou nesta quinta-feira, 24, medida provisória para liberar cerca de R$ 2,5 bilhões para o país aderir ao Covax Facility, consórcio global de governos e fabricantes para impulsionar o desenvolvimento de vacinas contra a covid-19. Além desta, uma segunda medida, de adesão ao programa, foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União desta sexta-feira, 25.

"Espera-se que, por meio deste instrumento, o Brasil possa comprar o equivalente para garantir a imunização de 10% da população até o final de 2021, o que permite atender populações consideradas prioritárias", afirma o Palácio do Planalto em nota. A adesão permitirá o acesso ao portfólio de nove vacinas em desenvolvimento, além de outras em análise.

O governo aposta na vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e a AstraZeneca contra a covid-19. A Fiocruz ganhou aporte de R$ 2 bilhões para receber, processar, distribuir e passar a fabricar sozinha o imunizante. A ideia é que os primeiros 15 milhões de doses sejam aplicados em janeiro de 2021 no Brasil, ano em que 100 milhões de unidades devem ser distribuídas.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou nesta quinta-feira, 24, que a pasta acompanha o desenvolvimento de todas as vacinas, e não descarta comprar doses além daquelas de Oxford.

Governos estaduais também têm negociações próprias sobre vacinas. São Paulo, por exemplo, aposta na Coronavac, fabricada na China. O Paraná, por sua vez, tem negociação com a Rússia para fabricar a Sputnik V.

"Esta iniciativa (aderir ao Covax Facility) não impede que o país realize posteriormente acordos bilaterais com outras empresas biofarmacêuticas produtoras de vacinas contra a Covid-19 que não estejam contempladas pela iniciativa global. Também não ficam impedidas iniciativas já realizadas pelo Estado Brasileiro, com as empresas biofarmacêuticas que fazem parte da iniciativa global", disse o Planalto em nota.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusGoverno BolsonaroPandemiaSaúde no Brasilvacina contra coronavírusVacinas

Mais de Brasil

Pesquisa encontra agrotóxicos em alimentos ultraprocessados com apelo ao público infantil

STF cria marco civilizatório ao proibir exposição de vida sexual de vítima, dizem advogados

Seguradoras irão pagar, no mínimo, R$ 1,6 bilhão em indenizações no Rio Grande do Sul

Governo libera verba extra de R$ 22 milhões para as universidades do RS

Mais na Exame