Brasil

Governo lança aplicativo para bloquear celulares roubados em até 10 minutos; veja como funciona

Ferramenta será lançada e disponibilizada aos usuários nesta terça-feira, segundo o Ministério da Justiça e Segurança Pública

Celulares roubados: bancos vão bloquear em até 10 minutos aplicativos com 'botão de segurança', diz governo (DircinhaSW/Getty Images)

Celulares roubados: bancos vão bloquear em até 10 minutos aplicativos com 'botão de segurança', diz governo (DircinhaSW/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 18 de dezembro de 2023 às 17h53.

Última atualização em 18 de dezembro de 2023 às 17h56.

O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva lança nesta nesta terça-feira uma ferramenta para bloquear instantemente celulares roubados e barrar os acessos a contas de bancos e serviços no aparelho. No desenho da proposta, batizada de Celular Seguro, uma das promessas é bloquear também, em até 10 minutos, os aplicativos das redes bancárias, bem como as mensagens via SMS.

Para isso, haverá um aplicativo e um site único, abrigado no gov.br, que funcionará como um "botão de segurança" para casos de roubos ou furtos. O acionamento pode ser feito pela vítima ou por alguém de confiança previamente cadastrado.

— Já temos a APIs (interface), integrada com todos os bancos, testada. A maioria deles (bancos) diz que vai bloquear o internet banking em até no máximo 10 minutos, a partir da comunicação. Além disso, as operadoras de telefonia vão passar também a bloquear a linha e o SMS, porque é através de SMS que os ladrões conseguem resgatar as senhas — disse ao GLOBO o secretário-executivo do Ministério da Justiça, Ricardo Cappelli.

No caso dos bancos, o aplicativo será por adesão. Todos os bancos filiados à Febraban, que reúne a maior parte do setor bancário brasileiro, aderiram.

A proposta vem em um contexto de aumento de roubos. O último Anuário Brasileiro de Segurança Pública aponta para um total de 999.223 mil ocorrências no ano passado, mais do que os 852.991 mil casos registrados em 2021. Com isso, a alta foi de 16,6% em furtos e roubos.

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) já tinha esse protocolo de segurança com bloqueios dos aparelhos. A ideia agora é nacionalizar esse mecanismo, por meio do uso do site ou aplicativo. Atualmente, o Ministério da Justiça estima que a vítima pode levar até uma hora para fazer o registro do crime, via central eletrônica.

— Observamos que o problema para bloquear os aparelhos, não era um problema tecnológico, era um problema de processo, engenharia de processo. Nós precisávamos fazer com que o cidadão se ligasse diretamente a Anatel, pulando a secretaria de segurança (dos estados) e pulando as operadoras (de telefonia) — disse Cappelli.

Bancos e Anatel terão mecanismos para reverter eventuais enganos de consumidores ao acionarem o botão de segurança. O projeto não substitui o boletim de ocorrência, mas entra com a perspectiva de facilitar o processo de mitigação do dano ao consumidor. O governo não tem uma meta específica de redução no número de roubos e furtos, mas acredita que essa nova funcionalidade pode ter resultado significativo.

A expectativa é que o bloqueio total seja um grande desestímulo à atuação dos criminosos, na medida em que vai levar a inutilidade do aparelho e transformado em um "pedaço de metal inútil", diz Cappelli.

Acompanhe tudo sobre:RoubosCelularesGoverno LulaSegurança pública

Mais de Brasil

Em Porto Alegre, Defesa Civil alerta para risco de novos temporais com ‘ventos intensos’ e granizo

Ministério da Saúde amplia vacinação contra dengue; veja nova faixa etária

Reviravolta em julgamento sobre 'sobras eleitorais' pode anular eleição de sete deputados; entenda

Privatização da Sabesp será concluída em 22 de julho; veja os mais cotados para vencer a disputa

Mais na Exame