Brasil

Governadores prometem obras e dizem priorizar aliança com novo governo Lula

Pela primeira vez, um Estado (Pernambuco) elegeu duas mulheres, como governadora e vice

Bandeira do Brasil (celsopupo/Thinkstock)

Bandeira do Brasil (celsopupo/Thinkstock)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 2 de janeiro de 2023 às 08h42.

Antes que começasse o ritual de posse presidencial em Brasília, 27 governadores assumiram seus cargos pelo País, priorizando, em comum, as promessas de novas obras e antecipando a disposição de entendimento político com a nova equipe do Palácio do Planalto. Pela primeira vez, um Estado (Pernambuco) elegeu duas mulheres, como governadora e vice. Também pela primeira vez, um governador (Rio Grande do Sul) leva à cerimônia de posse um companheiro e lhe faz elogios em suas falas.

No Rio o bolsonarista Cláudio Castro avisou que quer trabalhar m em conjunto com o petista Luiz Inácio Lula da Silva. Em Estados como Bahia e Ceará, onde o PT venceu, o tema dominante dos empossados, respectivamente Jerônimo Rodrigues e Elmano de Freitas, foram animados elogios à vitória e à posse de Lula em Brasília. No Recife, o lado da vice, Priscila Krause (Cidadania) a governadora Raquel Lira usou seu primeiro discurso para fazer duras críticas ao PSB que encerrou um ciclo de 16 anos à frente do Estado.

Com a segunda maior votação em outubro passado (4,2 milhões de votos), Ratinho Jr. (PSD), assumiu em Curitiba dizendo que entrava em 2023 "muito otimista", garantiu que o Paraná "continuará sendo uma terra de oportunidades" e comemorou a construção da segunda ponte do Estado em Foz do Iguaçu.

Em Porto Alegre, o fato mais comentado na segunda posse do tucano Eduardo Leite foi a presença, ao seu lado, de seu companheiro, o médico capixaba Thalis Bolzan. "Além de amor, tenho por ele respeito e admiração", afirmou, ressaltando que Thalis se dedica a crianças com câncer e causas sociais. Ironizado na campanha pelo rival Onix Lorenzoni, ele disse ter orgulho de ver "a opinião pública unida para condenar a homofobia".

No Rio, mais que a posse o que repercutiu foi a entrevista dada pelo governador reempossado Claudio de Castro. Filiado ao PL, ele deixou clara a disposição de dialogar com Lula e o PT. "O povo fez sua escolha", advertiu. "Precisamos de ajuda do governo federal na infraestrutura. Será um diálogo baseado em pautas."

Um dos reempossados mais otimistas do dia foi Romeu Zema, em Minas Gerais, que se elegeu em 2018 apenas com o Novo e agora volta com dez partidos a apoiá-lo, "uma situação muito diferente", admitiu, pois permite levar adiante seu projeto principal, a adesão ao Regime de Recuperação Fiscal, que enfrenta a oposição do forte petismo no Estado.

Reeleito em Alagoas, Paulo Dantas (MDB), tomou posse afirmando que "suou para fazer do Estado um lugar melhor para todos", mas "infelizmente o Brasil voltou ao Mapa da Fome". Dantas falou também da valorização das mulheres e do compromisso com indígenas, quilombolas e LGBTQIA.

LEIA TAMBÉM:

Acompanhe tudo sobre:GovernadoresObras públicas

Mais de Brasil

Cidades brasileiras têm queda no IDH, recuo na expectativa de vida e frequência escolar, aponta ONU

O frio vai continuar em São Paulo? Veja como ficam as temperaturas na semana

Moraes autoriza PF a ouvir Rivaldo Barbosa, investigado pela morte de Marielle

"Efeito devastador sobre civis", diz governo brasileiro sobre ataque de Israel em Rafah

Mais na Exame