Gilmar Mendes suspende ação fiscal contra Lula

Ministro do STF viu "indicativos" de que foram utilizados elementos de prova invalidados pelo Supremo, de acordo com despacho
Gilmar Mendes: ministro do STF suspende ação fiscal contra Lula (Adriano Machado/Reuters)
Gilmar Mendes: ministro do STF suspende ação fiscal contra Lula (Adriano Machado/Reuters)
E
Estadão Conteúdo

Publicado em 28/09/2022 às 12:50.

Última atualização em 28/09/2022 às 13:31.

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes suspendeu uma ação cautelar fiscal que tramita na Justiça Federal de São Paulo na qual a Procuradoria da Fazenda Nacional cobra do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do Instituo que leva o nome do petista créditos tributários de R$ 15.329.636 80 valor que, atualizado, chega a R$ 18 milhões.

A decisão atinge ainda procedimentos da Receita que "derivem do compartilhamento das provas ilícitas produzidas na 13ª Vara Federal de Curitiba" o juízo da extinta Operação Lava-Jato e tem validade até o julgamento de recurso impetrado pelo petista na Corte máxima.

 Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo toda manhã no seu e-mail. Cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

No despacho assinado na noite desta terça-feira, 27, Gilmar Mendes viu "indicativos" de que elementos de prova invalidados pelo Supremo foram utilizados pelo Fisco e pela Procuradoria da Fazenda Nacional para subsidiar a instauração de procedimento fiscais em desfavor de Lula.

Segundo o decano, a petição inicial da ação questionada "dá conta de que os procuradores da Fazenda se valeram de provas obtidas na 24ª fase da Operação Lava-Jato" como fundamento do pedido de indisponibilidade do patrimônio do petista.

Além disso, o ministro viu "indícios claros de que agentes públicos estão se valendo de expediente flagrantemente ilegal, com claro prejuízo ao patrimônio jurídico" de Lula e "evidente repercussão no processo eleitoral".

Gilmar ponderou é "público e notório", que a Segunda Turma da Corte máxima declarou a suspeição do ex-juiz Sergio Moro para conduzir ações penais contra Lula, anulando todos os atos decisórios, inclusive na fase investigatória ou seja, fazendo com que as apurações voltassem à estaca zero.

Dessa maneira, as provas obtidas no bojo de tais apurações não podem ser usadas em outros procedimentos. Assim, a avaliação de Gilmar foi a de que o caso exigia "imediata correção de rumos, por meio de intervenção direta do Supremo Tribunal Federal para preservação da autoridade de suas decisões".

"Diante desses elementos plurais, harmônios e coesos, entendo estar demonstrada a plausibilidade das alegações do requerente, a partir de inúmeras circunstâncias indicativas de graves ilegalidades praticadas no âmbito da Ação Cautelar Fiscal nº 5002649-76.2018.4.03.6182, notadamente o aproveitamento em procedimentos fiscais de provas declaradas ilícitas pelo Supremo Tribunal Federal", registra a decisão.

LEIA TAMBÉM: Na reta final da eleição, as boas notícias (e os riscos) para Lula e Bolsonaro nas redes sociais

Gilmar entendeu que a conduta do órgão fazendário exigia "imediata intervenção do Judiciário para preservar decisões da Corte máxima e reafirmação de direitos e garantias que compõem a espinha dorsal do Estado Democrático de Direito". O ministro chegou a lembrar que a nova Lei de Abuso de Autoridade criminalizou o uso de provas obtida por meio ilícito, contra investigado, "com prévio conhecimento de seus vícios" pelo agente público.

O decano do Supremo também fundamentou sua decisão liminar provisória, dada em casos urgentes no "risco de dano irreparável" uma vez que a ação fiscal pediu a indisponibilidade de todos os bens de Lula. Além disso, Gilmar Mendes destacou que o processo tem sido usado em peças de propaganda contra Lula, candidato à Presidência.

Nesse contexto, o decano disse "chamar atenção" o fato de um dos procuradores responsáveis pela ação cautelar fiscal ter protocolado manifestação que, segundo Gilmar, "flerta com o panfletismo político-ideológico, com o notório potencial de ser explorada negativamente detrimento" de Lula.

O decano transcreveu parecer do procurador da Fazenda. "O STF não inocentou o réu Luiz Inácio Lula da Silva. Ele não tratou do mérito da condenação. Não foi afirmado, em hora nenhuma, que o réu é inocente, mas considerou-se que não cabia à Justiça Federal do Paraná julgá-lo naqueles processos específicos. Para o STF, a sentença dada no Paraná foi irregular e, por isso, inválida", registrou trecho do texto assinado pelo procurador.

Em seu despacho, Gilmar afirmou que a distinção entre "sentença irregular" e "inocência" feita pelo procurador "é de cristalina leviandade".

"Tal manifestação do Procurador da Fazenda Nacional encampada parcialmente pelo ato reclamado, ostenta nítidos contornos teratológicos e certa coloração ideológica. Quanto não demonstra, antes, alguma fragilidade intelectual, por desconsiderar algo que é de conhecimento de qualquer estudante do terceiro semestre do curso de direito: ante a ausência de sentença condenatória penal qualquer cidadão conserva, sim, o estado de inocência", indicou o ministro.

LEIA TAMBÉM: