Acompanhe:

Gilmar dá prazo para governo justificar portaria de Weintraub contra cotas

Medida do ex-ministro é contra cotas para negros, indígenas e pessoas com deficiência nos processos seletivos de pós-graduação em instituições federais

Modo escuro

Continua após a publicidade
Abraham Weintraub: medida contra cotas em pós-graduação foi última decisão do ministro no cargo (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Abraham Weintraub: medida contra cotas em pós-graduação foi última decisão do ministro no cargo (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 22 de junho de 2020 às, 18h59.

Última atualização em 22 de junho de 2020 às, 19h18.

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, mandou a Advocacia-Geral da União se manifestar em até 48 horas sobre a portaria do ex-ministro da Educação Abrahram Weintraub contra medida que estimulava as universidades a criar propostas sobre cotas para negros, indígenas e pessoas com deficiência nos processos seletivos de pós-graduação.

O despacho do ministro foi deferido em uma das três ações que estão sob sua relatoria no Supremo.

A portaria de Weintraub não extinguiu cotas já em vigor e não impede as instituições de adotarem ações afirmativas. Porém, a ação foi vista como política, com o objetivo de desestimular o debate sobre o tema nas instituições. A medida foi assinada pelo ex-ministro horas antes de anunciar sua saída do MEC.

O texto derrubado por Weintraub determinava a criação de comissões para discutir ações afirmativas e previa a participação do MEC nas ações propostas pelas instituições. A medida foi assinada em 2016 pelo então ministro Aloizio Mercadante, no final da gestão Dilma Rousseff.

A ação de Weintraub foi questionada no Supremo por três partidos da oposição: Rede Sustentabilidade, PDT e PSB. Os três alegam 'flagrante retrocesso na garantia de direitos fundamentais', destacando o risco de discussões e propostas de cotas nas universidades serem deixadas de lado.

No Congresso, parlamentares criticaram a medida e dois projetos de decretos legislativos foram elaborados para torná-la sem efeito. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que iria esperar o novo chefe do MEC assumir o cargo para resolver a questão no diálogo.

"Vamos conversar com o novo ministro, dialogar com o ministro da articulação política para ver se nós podemos resolver isso no diálogo, sem necessidade de aprovação de um projeto de decreto legislativo. O ideal é mostrar para o governo que essa decisão do ministro, já sabendo que ia sair, talvez tenha baixa legitimidade", disse Maia.

Últimas Notícias

Ver mais
Educação Inclusiva: apenas 16% das empresas têm programas para grupos minorizados, diz estudo
seloCarreira

Educação Inclusiva: apenas 16% das empresas têm programas para grupos minorizados, diz estudo

Há um dia

Universidades e institutos federais marcam greve a partir de segunda
Brasil

Universidades e institutos federais marcam greve a partir de segunda

Há 2 dias

Foro privilegiado: entenda as mudanças definidas pelo STF
Brasil

Foro privilegiado: entenda as mudanças definidas pelo STF

Há 2 dias

Marco temporal: PGR defende no STF inconstitucionalidade de lei aprovada pelo Congresso
Brasil

Marco temporal: PGR defende no STF inconstitucionalidade de lei aprovada pelo Congresso

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais