Brasil

Frentistas serão capacitados para lidar com questão racial

Profissionais que trabalham em 4 mil postos da BR Distribuidora serão capacitados para lidar com questões raciais


	Frentista abastece carro em posto BR: material distribuído explica o que é racismo, como ele afeta as pessoas e as leis que punem crimes raciais
 (Antonio Cruz/ABr)

Frentista abastece carro em posto BR: material distribuído explica o que é racismo, como ele afeta as pessoas e as leis que punem crimes raciais (Antonio Cruz/ABr)

DR

Da Redação

Publicado em 13 de agosto de 2013 às 11h30.

Rio de Janeiro – Cerca de 26 mil frentistas que trabalham em 4 mil postos de combustíveis da Petrobras (BR) Distribuidora serão capacitados para lidar com questões raciais. O programa de capacitação da empresa, feito em parceria com a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), foi lançado hoje (13) no Rio. No curso, de uma hora e meia, os funcionários assistirão a um vídeo, debaterão a desigualdade racial e receberão uma cartilha.

O material distribuído no curso explica o que é racismo, como ele afeta a vida das pessoas e as leis que punem crimes raciais, como a Lei Caó (7.716/89) e a Lei 9.459/97, que definiu o crime de injúria racial no Código Penal. Segundo o frentista Wagner Cardoso Monteiro, a cartilha mostra como lidar com situações de preconceito.

“Já aconteceu uma situação com um colega meu, que estava prestando um bom atendimento para o cliente. Só vi na hora em que o cliente saiu desembestado com o carro, chamando-o de macaco e acenando para ele. Se isso acontecer hoje comigo, ou com qualquer colega, agora sei como recorrer”, disse.

Outro objetivo do programa é evitar atitudes racistas entre os próprios colegas de trabalho, segundo a ministra da Seppir, Luiza Bairros. “As relações entre os frentistas são marcadas, muitas vezes, por discriminações que aparecem disfarçadas de brincadeira, mas que nada mais são do que tentativas de manutenção do racismo na sociedade brasileira”, acrescentou a ministra.

A Petrobras também pretende usar o material para capacitar os cerca de 6 mil operários que hoje trabalham nas obras de construção e manutenção da Petrobras.

Acompanhe tudo sobre:AtacadoCapitalização da PetrobrasComércioCrimeEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasEmpresas estataisEstatais brasileirasGás e combustíveisIndústria do petróleoPetrobrasPetróleoPreconceitosRacismoVibra Energia

Mais de Brasil

Chuvas no RS: governo vai propor flexibilizações na Lei de Licitações para situação de calamidade

Celular Seguro vai enviar alerta a quem comprar aparelho furtado ou roubado

Rumo a um Novo Ensino Médio: os desafios e perspectivas da reforma da reforma

Moraes suspende norma do CFM que dificulta aborto legal em casos de estupro

Mais na Exame