Brasil

Fies adia para 2022 exigência mínima de 400 pontos na redação do Enem

Hoje, para se inscrever no programa, os candidatos não podem zerar na prova de redação do Enem

Fila do Enem: para o próximo ano, portanto, as regras do Fies não mudam (Alexandre Battibugli/Exame)

Fila do Enem: para o próximo ano, portanto, as regras do Fies não mudam (Alexandre Battibugli/Exame)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 13 de outubro de 2020 às 18h25.

Última atualização em 13 de outubro de 2020 às 18h38.

O governo adiou para 2022 a exigência que participantes do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) tenham nota igual ou superior a 400 pontos na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Anteriormente, a exigência passaria a valer já em 2021. A decisão foi publicada nesta terça-feira, 13, no Diário Oficial da União e altera a resolução nº 34 de dezembro de 2019.

Para o próximo ano, portanto, as regras do Fies não mudam. Para se inscrever no programa, os candidatos não podem zerar na prova de redação do Enem e precisam alcançar uma média aritmética das provas do exame (linguagens, matemática, ciências da natureza e ciências humanas) igual ou superior a 450 pontos.

Já em 2022, será exigido que a nota da redação seja de, no mínimo, 400 pontos e a média aritmética das provas igual ou superior a 450 pontos. O critério econômico para participar do programa não foi modificado. Sendo assim, além das regras mencionadas, o candidato deve ter renda familiar mensal bruta, por pessoa, de até 3 salários mínimos.

O Fies é um programa do governo federal que concede financiamento para estudantes cursarem o ensino superior em universidades privadas.

Acompanhe tudo sobre:EducaçãoEnemFies

Mais de Brasil

Professores decidem manter greve nas universidades federais após nova oferta do governo Lula

Ao lado de Bolsonaro, Tarcísio e provável vice, Nunes diz que chapa será anunciada na semana que vem

FAB encerra neste sábado recebimento de doações ao Rio Grande do Sul

Censo 2022: Brasil tem 106,8 milhões de endereços, um aumento de 19,5% em relação ao Censo anterior

Mais na Exame