Acompanhe:

Fachin nega pedido de investigação do orçamento secreto

Pedido foi apresentado pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL)

Modo escuro

Continua após a publicidade
Fachin: para não piorar crise, presidente do TSE nega investigação sobre orçamento secreto (Adriano Machado/Reuters)

Fachin: para não piorar crise, presidente do TSE nega investigação sobre orçamento secreto (Adriano Machado/Reuters)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 11 de julho de 2022 às, 17h36.

Última atualização em 11 de julho de 2022 às, 18h09.

Disposto a evitar novas tensões com o Palácio do Planalto, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Edson Fachin, negou um pedido apresentado pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL) para que a Corte investigue o impacto do orçamento secreto nas eleições de outubro.

Renan alegou que a determinação do Supremo Tribunal Federal (STF) de dar transparência a esses gastos não afasta o "risco irreparável de abuso de poder eleitoral na sua aplicação". Fachin respondeu, no entanto, que a fiscalização das emendas compete ao próprio Congresso Nacional.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia.

O presidente do TSE também argumentou que não cabia a Renan apresentar a ação porque a Lei das Eleições só autoriza partidos coligações, candidatos e Ministério Público (MP) a propor esse tipo de apuração. O ministro não considerou a possibilidade de encaminhar o pedido do senador ao MP Eleitoral.

O Estadão apurou que o crescente clima de animosidade entre o Planalto, o TSE e o Supremo pesou na decisão de Fachin. No mês passado, por exemplo, o presidente do STF, Luiz Fux, também agiu para evitar mais um cabo de guerra e retirou da pauta a continuidade do julgamento sobre a aplicação do marco temporal na demarcação de terras indígenas. A decisão de Fux foi tomada depois que o presidente Jair Bolsonaro, favorável à tese do marco temporal, disse que não cumpriria uma sentença contrária porque quebraria o Brasil.

No ofício encaminhado ao TSE em abril, Renan citou o fato de os recursos do orçamento secreto serem distribuídos de forma monocrática, sem a adoção de critérios técnicos pelo relator-geral do Orçamento. O Estadão revelou que o senador Marcos do Val (Podemos-ES) recebeu R$ 50 milhões em emendas do esquema após ter apoiado a eleição do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), em fevereiro do ano passado. Do Val negou compra de voto e disse que o pagamento foi uma forma de "gratidão" pelo apoio.

"Se, de um lado, os recursos do fundo das eleições são submetidos a regras e controles da Justiça Eleitoral, por outro os recursos da emenda de relator-geral (RP-9), que representam o triplo do mencionado fundo, não estão sujeitos a qualquer exame ou controle, mesmo face ao inequívoco poder de influir na competição eleitoral, conduta explicitamente vedada em sede constitucional", escreveu Renan no documento ao TSE.

O montante do orçamento destinado ao Fundo Eleitoral em 2022 corresponde a R$ 4,9 bilhões. O senador pediu apuração de eventuais crimes eleitorais de abuso de poder econômico por parte de parlamentares beneficiados por emendas.

LEIA TAMBÉM: Nova variante do coronavírus preocupa cientistas. Veja quais são os sintomas

Uma resolução (nº 23.608/2019) aprovada em 2019 pelo TSE define que todos os agentes públicos e "qualquer outra pessoa que tiver ciência da prática de ilegalidade ou irregularidade relacionada com a eleição deverão comunicar o fato ao Ministério Público Eleitoral, podendo indicar a adoção das medidas que entenderem cabíveis".

No caso de juízes eleitorais, como Fachin, a legislação é ainda mais taxativa ao dizer que eles podem adotar "as medidas administrativas necessárias para fazer cessar a irregularidade, se esta se tratar de propaganda irregular", antes mesmo de informarem os possíveis crimes ao MP.

Como mostrou o Estadão, o orçamento secreto passou a ser utilizado para turbinar o esquema das "escolas fake", no Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), que tinha como único objetivo realizar propaganda eleitoral a favor do governo de Jair Bolsonaro (PL) e de parlamentares da base aliada. Com a permissão do presidente, deputados e senadores iludem seus eleitores com anúncios de novas escolas e creches que, na prática, nunca sairão do papel por razões orçamentárias.

A advogada e cientista política Carol Clève, da Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político (Abradep), reforça o argumento apresentado por Fachin de que Renan não tinha legitimidade para apresentar um pedido de investigação judicial ao TSE. Argumentou, porém, que nada impediria o ministro de enviar a denúncia ao órgão competente. "Entendo que é possível o encaminhamento para o Ministério Público Eleitoral para que, no âmbito de sua competência, faça a apuração", observou Clève.

Para Renan, o orçamento secreto "é uma excrescência". "É um absurdo a legislação eleitoral não tratar disso para, pelo menos suspender a execução durante o período eleitoral. Isso, sim, é compatível com eleição, não investigação", disse o senador ao Estadão. Ele tirou licença para se dedicar à campanha do ex-governador Renan Filho ao Senado por Alagoas, onde seu maior adversário é o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL).

LEIA TAMBÉM: Agente penal responsável por matar petista em Foz do Iguaçu tem prisão preventiva decretada

Numa ação similar a de Renan, o deputado Elias Vaz (PSB-GO) apresentou uma petição para que o TSE investigasse os gastos de Bolsonaro com o cartão corporativo da Presidência durante as chamadas motociatas. A ação foi distribuída ao ministro Alexandre de Moraes, que encaminhou o assunto ao Ministério Público Eleitoral.

Em dezembro passado, o Supremo decidiu que todas as emendas destinadas por parlamentares por meio do dispositivo RP-9 — código orçamentário utilizado para viabilizar o esquema — deveriam ser amplamente divulgadas. Antes disso, a Corte havia determinado que o governo parasse de executar as indicações, mas a maioria mudou de posição no segundo julgamento, seguindo o voto da relatora Rosa Weber.

Durante os dois julgamentos no Supremo sobre o orçamento secreto apenas Fachin e a ministra Cármen Lúcia votaram para interromper a execução dos repasses e conceder transparência de forma retroativa. Na ocasião, Fachin destacou que o esquema era "obscuro" e "envergonhado de si mesmo".

No seu diagnóstico, as medidas adotadas pelo governo e o Congresso, até aquele momento, não haviam demonstrado a eficácia almejada para coibir a compra de apoio pela gestão Bolsonaro. "No plano material, contudo, há um grupo privilegiado de parlamentares que poderá destinar volume maior de recursos a suas bases eleitorais, utilizando-se, para tanto, das despesas previstas na quota do relator-geral", afirmou na época o presidente do TSE.

Fachin foi procurado pelo Estadão, por meio da Secretaria de Comunicação do TSE, mas não se manifestou.

(Estadão Conteúdo)

Últimas Notícias

Ver mais
Bukele vence eleições municipais, último elo do poder em El Salvador
Brasil

Bukele vence eleições municipais, último elo do poder em El Salvador

Há 3 horas

Entenda regras do TSE para uso de inteligência artificial nas eleições
Brasil

Entenda regras do TSE para uso de inteligência artificial nas eleições

Há um dia

TSE multa Haddad por impulsionar busca usando nome de adversário na campanha de 2022
Brasil

TSE multa Haddad por impulsionar busca usando nome de adversário na campanha de 2022

Há 3 dias

TSE determina que plataformas removam conteúdo eleitoral 'sabidamente inverídico'
Brasil

TSE determina que plataformas removam conteúdo eleitoral 'sabidamente inverídico'

Há 4 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais