Acompanhe:

Ex-ministro classifica acusação de mentirosa

Bezerra afirmou que as declarações buscam "manchar a memória" do ex-governador Eduardo Campos.

Modo escuro

Continua após a publicidade

	Fernando Bezerra Coelho: "[ele] nunca tratou de doações à campanha com quem quer que seja", diz nota de sua assessoria
 (Elza Fiúza/ABr)

Fernando Bezerra Coelho: "[ele] nunca tratou de doações à campanha com quem quer que seja", diz nota de sua assessoria (Elza Fiúza/ABr)

F
Fausto Macedo e Ricardo Brandt

Publicado em 24 de outubro de 2014 às, 09h59.

Brasília e São Paulo - O ex-ministro da Integração Nacional e senador eleito pelo PSB de Pernambuco Fernando Bezerra chamou de "levianas e mentirosas" as acusações de Paulo Roberto Costa. Bezerra afirmou que as declarações buscam "manchar a memória" do ex-governador Eduardo Campos.

Por meio de sua assessoria, ele afirma que nunca atuou na área financeira da campanha de Campos ao governo de Pernambuco, em 2010. "Na campanha à reeleição de Eduardo Campos, em 2010, Fernando Bezerra Coelho não teve papel de coordenador nem de tesoureiro. Portanto, nunca tratou de doações à campanha com quem quer que seja", diz a nota.

O ex-ministro assumiu, em 2007, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, no primeiro mandato de Campos. Foi indicado para o ministério em 2011. Bezerra afirma que não conhece e nunca teve nenhum tipo de contato pessoal ou telefônico com o doleiro Alberto Youssef.

Sobre Paulo Roberto Costa, Bezerra admite que chegou a ter contatos "institucionais" com ele, na época em que ocupava os cargos de secretário de Pernambuco e de presidente do Porto de Suape.

"Agora, surgem declarações levianas e mentirosas numa tentativa de macular a honra e o trabalho do senador eleito Fernando Bezerra Coelho", diz a nota. "A apuração dos fatos pela Polícia Federal e pelo Ministério Público, com absoluta certeza, mostrará que as declarações são caluniosas e que elas têm cunho puramente político."

O irmão de Campos, Antonio Campos, não quis comentar o caso. Indicou o advogado do ex-governador, que não foi localizado. O presidente estadual do PSB, Sileno Guedes, disse que não era presidente na época e não comentou o assunto.

O criminalista Figueiredo Basto, que comanda o núcleo de defesa de Youssef, disse que o doleiro "nunca comentou" com ele o suposto pagamento de R$ 20 milhões. "Não posso confirmar, porque não ouvi nada dele (Youssef) sobre isso", afirmou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Últimas Notícias

Ver mais
CNJ afasta ex-juíza da Lava-Jato, atual titular da vara da operação e dois desembargadores do TRF-4
Brasil

CNJ afasta ex-juíza da Lava-Jato, atual titular da vara da operação e dois desembargadores do TRF-4

Há um dia

Sessão temática para debater anteprojeto do novo Código Civil tem data marcada no Senado
Brasil

Sessão temática para debater anteprojeto do novo Código Civil tem data marcada no Senado

Há 3 dias

Pacheco pode pautar marco do mercado de carbono neste mês, diz Padilha
ESG

Pacheco pode pautar marco do mercado de carbono neste mês, diz Padilha

Há 4 dias

Pacheco pede inclusão de infraestrutura em PL de dívida dos estados
Brasil

Pacheco pede inclusão de infraestrutura em PL de dívida dos estados

Há 4 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais