Brasil

Ex-Bope e assessor fiel de Bolsonaro: saiba quem é Max Guilherme, preso em operação da PF

Max Guilherme Machado de Moura permaneceu como um dos assessores de Bolsonaro após o mandato

Max Guilherme: ele também foi candidato a deputado federal no Rio de Janeiro nas últimas eleições, mas não foi eleito (Redes Sociais/Reprodução)

Max Guilherme: ele também foi candidato a deputado federal no Rio de Janeiro nas últimas eleições, mas não foi eleito (Redes Sociais/Reprodução)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 3 de maio de 2023 às 09h12.

Última atualização em 3 de maio de 2023 às 10h28.

Além do ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro, Mauro Cid, outro assessor do ex-presidente também foi preso na operação deflagrada pela Polícia Federal nesta quarta-feira: Max Guilherme Machado de Moura, que acompanha Bolsonaro desde os tempos de deputado federal.

Ex-sargento da Polícia Militar do Rio, Max foi integrante do Batalhão de Operações Especiais (Bope). Ele é apontado como um dos assessores mais próximos e leais ao ex-presidente: foi seu auxiliar durante todo o mandato e permanece entre os oito assessores aos quais o ex-presidente tem direito a manter.

Quem é Max Guilherme?

Durante o mandato, Max Guilherme foi alvo de algumas polêmicas. Em uma delas, teve suas contas nas redes sociais excluídas pelo Facebook após a divulgação de fake news. O assessor também costumava usar suas redes sociais para fazer ataques ao Supremo Tribunal Federal. Em 2021, publicou um texto que afirmava que a Constituição foi "estrangulada de forma covarde" pelo STF. A publicação afirma que a Corte deu "deu duros golpes" na Constituição, "degolando todas as suas leis e decapitando todas as suas tentativas de manter o país vivo". Ao compartilhar a imagem, Machado escreveu: "Pura verdade!!!".

Em 2021, Max Guilherme também compartilhou um vídeo crítico à relação entre Brasil e China. Na publicação, um analista dizia que "oportunistas" poderiam lotear o país e "entregar de bandeja aos chineses".

Max Guilherme também foi candidato a deputado federal no Rio de Janeiro nas últimas eleições, mas não foi eleito. Ele acompanhou Bolsonaro na viagem aos Estados Unidos, onde o ex-presidente permaneceu por três meses. Max também costuma ser o responsável por fazer as transmissões ao vivo do ex-presidente.

Acompanhe tudo sobre:Jair BolsonaroPolícia FederalOperação Venire

Mais de Brasil

OPINIÃO: Nunca esqueceremos

Enchentes no RS: sobe para 155 o número de mortos; 94 pessoas seguem desaparecidas

Campanhas de Boulos e Tabata veem Datena “roubando” votos de Nunes; MDB acredita em aliança com PSDB

Ônibus passa a ligar aeroporto de Florianópolis a Porto Alegre

Mais na Exame