Brasil

EUA vai enviar 3 milhões de doses da vacina da Janssen para o Brasil

Este é o maior número de vacinas doadas pelos EUA para qualquer país até agora

Doação dos EUA: a vacina da Janssen requer a aplicação de uma só dose, o que facilita toda a logística de distribuição e de imunização (Dado Ruvic/Illustration/File Photo/Reuters)

Doação dos EUA: a vacina da Janssen requer a aplicação de uma só dose, o que facilita toda a logística de distribuição e de imunização (Dado Ruvic/Illustration/File Photo/Reuters)

DR

Da Redação

Publicado em 23 de junho de 2021 às 18h11.

Última atualização em 23 de junho de 2021 às 19h10.

Os Estados Unidos irão doar 3 milhões de doses da vacina contra covid-19 da Janssen, braço farmacêutico da Johnson&Johnson, para o Brasil. As doses serão a primeira doação direta de vacina que o país recebe dos Estados Unidos. A informação foi veiculada pelo canal Globo News e confirmada por assessores do governo americano.

Segundo a Casa Branca, as doses serão enviadas na quinta-feira, 24, do aeroporto de Fort Lauderdale, na Flórida, e chegarão ao aeroporto de Viracopos, em Campinas.

Este é o maior número de vacinas doadas pelos Estados Unidos para qualquer país até agora.

"Amanhã continuamos nosso trabalho para levar mais vacinas para o mundo e acabar com o vírus em todos os lugares com 3 milhões de doses para o Brasil", escreveu Kevin Munoz, assistente da assessoria de imprensa da Casa Branca, em seu Twitter.

A vacina da Janssen requer a aplicação só de uma dose, o que facilita toda a logística de distribuição e de imunização. A eficácia global é de 66%, e 82% no grupo de pessoas com mais de 65 anos. A resposta do corpo para ficar protegido contra o coronavírus leva 14 dias após a aplicação. 

Na terça-feira, um primeiro lote, com 1,5 milhão de vacinas do tipo, compradas pelo governo brasileiro, chegou ao país.

O Ministério da Saúde tem firmado um acordo com a Janssen de 38 milhões de doses do imunizante.

Novas doações

O Brasil ainda pode receber novas doações do governo americano, desta vez por meio do consórcio Covax. Na segunda-feira, a Casa Branca anunciou o envio de mais 14 milhões de doses de vacina contra covid-19 para o Brasil e outros países da América Latina.

O governo americano havia prometido 80 milhões de doses para outros países do mundo, mas inicialmente divulgou apenas o destino de 25 milhões de vacinas.

Os Estados Unidos compraram doses o suficiente para imunizar três vezes a própria população. Conforme a situação no país melhorou, com o avanço da vacinação, o governo do presidente Joe Biden passou a ser cobrado para compartilhar parte das vacinas com outros locais do mundo. Além dos 80 milhões de doses, os Estados Unidos se comprometeram a comprar 500 milhões de vacinas da Pfizer e doar para 92 países pobres até junho de 2022.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusDoaçõesEstados Unidos (EUA)Johnson & Johnsonvacina contra coronavírusVacinas

Mais de Brasil

Em Porto Alegre, Defesa Civil alerta para risco de novos temporais com ‘ventos intensos’ e granizo

Ministério da Saúde amplia vacinação contra dengue; veja nova faixa etária

Reviravolta em julgamento sobre 'sobras eleitorais' pode anular eleição de sete deputados; entenda

Privatização da Sabesp será concluída em 22 de julho; veja os mais cotados para vencer a disputa

Mais na Exame