Brasil

Esposa de Mauro Cid diz à PF que marido é responsável por cartão falso de vacinação

Gabriela Santiago Ribeiro Cid afirma que marido agia à frente da família, e investigação apura crimes relacionados

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 19 de maio de 2023 às 17h58.

Gabriela Santiago Ribeiro Cid, mulher do tenente-coronel Mauro Cesar Barbosa Cid, responsabilizou o marido pela inserção de dados falsos sobre vacinação de Covid-19 em sistemas do Ministério da Saúde. Em depoimento na sede da Polícia Federal, ela afirmou que o ex-ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro “tomava à frente da dinâmica familiar” e não o questionou sobre a obtenção da carteira fraudada.

Assim como o Mauro, Gabriela foi alvo de uma busca e apreensão e é investigada no inquérito que apura também os crimes de infração de medida sanitária preventiva, associação criminosa e corrupção de menores.

'Certeza que ele não falaria como obteve os cartões'

Em cerca de duas horas e meia, Gabriela afirmou aos investigadores não ter questionado Mauro Cid sobre os documentos por “ter certeza” de que ele não falaria como os obteve. Ela disse portar o cartão de vacinação com os dados falsos, assim como outros documentos pessoais, pois possivelmente o esqueceu dentro da carteira.

Cid foi preso por suspeita de inserção de dados falsos sobre vacinação de Covid-19 em sistemas do Ministério da Saúde. Assim como o ex-ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), ela foi alvo de uma busca e apreensão e é investigada no inquérito que apura também os crimes de infração de medida sanitária preventiva, associação criminosa e corrupção de menores.

Depoimento de Mauro Cid

Na tarde de ontem, Mauro Cid deixou pela primeira vez em duas semanas a cela que ocupa no Batalhão de Polícia do Exército de Brasília (BPEB). Em um comboio, ele foi levado para prestar depoimento na PF, mas optou por ficar em silêncio.

De acordo com a PF, a análise das mensagens de WhatsApp, decorrentes da quebra de sigilo telemático, “reforça os indícios de novas inserções de dados falsos nos sistemas do Ministério da Saúde”. As conversas demonstraram que as filhas de Cid realizavam “atividades cotidianas” em Brasília nas datas em que seus cartões vacinação registraram as doses contra a doença em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

“Inicialmente causou estranheza o fato de as filhas de MAURO CID terem sido vacinadas na cidade de Duque de Caxias/RJ, pois MAURO CID e sua família residem desde o ano de 2020 até a presente data na cidade de Brasília/DF. Os dados inseridos nos sistemas do Ministério da Saúde, informam que MAURO CID e suas filhas tomaram três doses de vacina contra a Covid-19, nas datas de 22/06/2021 (terça-feira), 08/09/2021 (quarta-feira) e 19/11/2021 (sexta-feira), no Centro Municipal de Saúde de Duque de Caxias/RJ, sendo as duas primeiras doses da fabricante PFIZER e a terceira da fabricante JANSSEN”, informa um relatório.

Dados associados ao ConecteSUS

O inquérito aponta ainda que um perfil associado aos dados do ex-presidente foi conectado ao aplicativo ConecteSUS por pelo menos quatro vezes desde dezembro do ano passado - a última delas às 8h15 de 14 de março. Segundo os investigadores, até 22 daquele mês, a conta era administrada pelo ex-ajudante de ordens.

A partir dessa data, o cadastro da conta de Bolsonaro foi alterado para um e-mail de Marcelo Costa Câmara, então assessor especial e quem o acompanhou em sua estadia na cidade de Orlando, nos Estados Unidos. “A alteração cadastral foi realizada a partir do mesmo endereço de IP utilizado para emitir o certificado de vacinação ideologicamente falso, com registro no Palácio do Planalto”, frisou a PF.

Em depoimento, na última terça-feira, o ex-presidente negou ter conhecimento da inserção de dados falsos de vacinação em seu nome e no de familiares. Ele também afirmou não ter determinado a inclusão das informações nos sistemas de saúde por não ter motivos para isso e disse não acreditar que Mauro Cid tenha arquitetado o esquema criminoso.

Acompanhe tudo sobre:Jair BolsonaroFraudesvacina contra coronavírusSUS

Mais de Brasil

Bolsonaristas criticam Moraes por derrubar norma sobre aborto; governistas apoiam decisão

Enchentes agora atingem SC; mais de 800 estão fora de casa devido a inundações

Nível do Guaíba cai 17 cm em Porto Alegre e segue baixando

Adaptação das cidades à crise climática exige mudança de paradigma, dizem especialistas

Mais na Exame