Brasil

Em depoimento, Cabral negou compra de votos para o Rio-2016

O ex-governador teria pedido a um empresário que repassasse dinheiro a membros do COI a fim de que o Rio fosse escolhido como sede dos Jogos

Sérgio Cabral: o ex-governador do Rio está preso desde novembro do ano passado (Marcelo Fonseca / FolhaPress/Folha de S.Paulo)

Sérgio Cabral: o ex-governador do Rio está preso desde novembro do ano passado (Marcelo Fonseca / FolhaPress/Folha de S.Paulo)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 14 de setembro de 2017 às 19h22.

Rio - Em depoimento prestado a procuradores do Ministério Público Federal (MPF) do Rio de Janeiro e a autoridades francesas, o ex-governador do Rio Sergio Cabral (PMDB) negou ter pedido ao empresário Arthur César de Menezes Soares Filho, o "Rei Arthur", que repassasse dinheiro a membros do Comitê Olímpico Internacional (COI) a fim de que o Rio fosse escolhido como sede dos Jogos do Rio-2016.

A defesa de Cabral classificou a tese de compra de votos como "inverossímil".

Cabral está preso no Rio desde novembro do ano passado. Ele responde a 13 processos na 7ª Vara Federal Criminal do Rio e já foi condenado a 14 anos e 2 meses de prisão pela Justiça Federal de Curitiba.

O depoimento do ex-governador aconteceu no dia 6, um dia após a Polícia Federal deflagrar a Operação Unfair Play.

Na oitiva, Cabral negou qualquer participação na suposta compra de votos, e disse ainda que a acusação de que o Rio foi escolhido como sede dos Jogos de 2016 graças a pagamento de propinas é "um erro histórico" cometido contra a cidade.

Em nota, a defesa do ex-governador também refutou as acusações.

"A tese do MPF francês é inverossímil porque o Rio de Janeiro se sagrou vencedor com uma diferença de 40 votos com relação à segunda candidata, Madrid. Por essa versão, seria preciso que todos tivessem sido corrompidos, o que é absurdo", sustentou.

A operação da PF foi amparada em investigações iniciadas há nove meses que apontam pagamentos de propinas em espécie, por meio da celebração de contratos de prestação de serviços fictícios e também por meio do pagamento de despesas pessoais.

Além disso, teriam sido realizadas transferências bancárias no exterior para contas de doleiros.

Os pagamentos teriam sido efetuados por "Rei Arthur", dono do Grupo Facility, empresa que chegou a ser o maior prestador de serviços privados do Estado do Rio de Janeiro, com contratos de R$ 3 bilhões na gestão de Sergio Cabral.

Ele é considerado foragido. A reportagem não conseguiu contato com a defesa de Arthur Soares.

Acompanhe tudo sobre:Olimpíada 2016OlimpíadasRio de JaneiroSérgio Cabral

Mais de Brasil

Marcha para Jesus em SP 2024: veja horário e ponto de encontro

Em anúncio de medidas para o RS, Lula volta a cobrar Campos Neto sobre juros

STF marca para junho retorno de julgamento sobre correção do FGTS

Barroso determina que governo de SP informe se gravação de câmeras de PMs será ininterrupta

Mais na Exame