Acompanhe:

Eduardo Jorge quer rompimento do acordo nuclear com Alemanha

Candidato defende a criação de uma parceria para incentivar a pesquisa, produção e incentivo à energia solar no mundo

Modo escuro

Continua após a publicidade
Eduardo Jorge é candidato à Presidência da República pelo Partido Verde (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Eduardo Jorge é candidato à Presidência da República pelo Partido Verde (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

F
Fernanda Cruz

Publicado em 21 de agosto de 2014 às, 12h30.

Última atualização em 2 de fevereiro de 2018 às, 17h35.

São Paulo - O candidato à Presidência pelo PV, Eduardo Jorge, participou hoje (21), na capital paulista, de um debate promovido pelo Greenpeace sobre a ampliação do uso da energia solar no Brasil. O candidato reafirmou seu compromisso em ampliar o uso desse tipo de energia, considerada mais limpa, no país. Outra proposta defendida foi a ruptura do acordo nuclear que o Brasil tem com a Alemanha.

“Tem a chance, de cinco em cinco anos, de se romper o contrato com a Alemanha. O contrato vence em novembro de 2015. Para propor a ruptura, tem que fazer com um ano de antecedência”, disse. Eduardo Jorge quer reunir um grupo de entidades para propor à presidenta Dilma Rousseff que não renove o contrato. “Queremos uma energia mais segura e limpa”, declarou.

Em contrapartida à ruptura do contrato, disse o candidato, o país criaria um novo acordo de longo prazo com a Alemanha, uma parceria para incentivar a pesquisa, produção e incentivo à energia solar no mundo. “A proposta é trocar um contrato inseguro e sujo como o da energia nuclear para a pesquisa em energia solar”, disse ele.

O candidato é contrário ao uso da energia nuclear no país. “É uma energia altamente perigosa, numa região altamente delicada do Rio de Janeiro. Se nós não queremos isso, a chance é agora, em novembro de 2014. Se não, o contrato é automaticamente renovado”, explicou.

De acordo com Eduardo Jorge, seu programa será ampliado para incorporar propostas como a que foi sugerida hoje pelo Greenpeace – a construção de 1 milhão de casas solares – aquelas cujo consumo é baseado em energia solar - durante os quatro anos de governo, caso seja eleito. “É uma energia limpa, que ajuda a limpar a matriz energética no Brasil, tirar a pressão sobre as nossas hidrelétricas, é lucro puro para o nosso Brasil”, declarou.

Sérgio Leitão, diretor de políticas públicas do Greenpeace, defendeu a expansão da capacidade de geração de energia solar. Para ele, uma solução para a questão energética no país seria a utilização de 10% da área que já foi desmatada na Amazônia para cobri-la com placas solares.

Últimas Notícias

Ver mais
Europa precisa se preparar para os riscos de enfrentar uma guerra, diz Von der Leyen
Mundo

Europa precisa se preparar para os riscos de enfrentar uma guerra, diz Von der Leyen

Há 4 horas

Critérios climáticos devem pautar 45% dos financiamentos até 2030, prevê Banco Mundial
ESG

Critérios climáticos devem pautar 45% dos financiamentos até 2030, prevê Banco Mundial

Há 5 horas

Ministro de finanças da França apoia proposta de sistema tributário internacional para 'super-ricos'
Economia

Ministro de finanças da França apoia proposta de sistema tributário internacional para 'super-ricos'

Há 9 horas

Eleições podem afetar Tributária, mas seria 'temerário' não cumprir calendário, diz relator
Brasil

Eleições podem afetar Tributária, mas seria 'temerário' não cumprir calendário, diz relator

Há 11 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais