Brasil

Doria amplia quarentena em São Paulo até 31 de maio

Governo prorroga medidas devido à expansão dos casos da covid-19 para interior e litoral e aos baixos índices de isolamento

Doria: governador decidiu prorrogar a quarentena para todos os 645 municípios de São Paulo (Governo do Estado de SP/Divulgação)

Doria: governador decidiu prorrogar a quarentena para todos os 645 municípios de São Paulo (Governo do Estado de SP/Divulgação)

CC

Clara Cerioni

Publicado em 8 de maio de 2020 às 12h41.

Última atualização em 8 de maio de 2020 às 16h03.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta sexta-feira, 8, a prorrogação da quarentena até 31 de maio, sem flexibilização, em todos os 645 municípios do estado. As medidas de isolamento teriam validade até este domingo, 10.

A previsão do governo era iniciar um processo de retomada das atividades a partir da próxima segunda-feira, 11, mas o plano precisou ser revisto por causa da expansão do número de casos confirmados e mortes em decorrência do novo coronavírus.

Desde o anúncio do plano, há 20 dias, os casos confirmados da doença mais que dobraram, de 15.901 para 41.830. Já as mortes quase triplicaram no mesmo período, de 1.134 para 3.416 .

O avanço do novo coronavírus no interior e no litoral preocupa as autoridades. As cidades tiveram uma alta de 3.000% nos índices da doença em abril. Atualmente, a cada três dias 38 novos municípios do interior paulista têm casos da doença pela primeira vez. Já são 371 cidades com pelo menos um registro de covid-19.

"Gostaria de dar hoje um recado diferente, mas o cenário é desolador. Teremos de ampliar a quarentena até 31 de maio", disse o governador em entrevista coletiva. "Estamos todos atravessando o pior momento desta pandemia. Só não percebem aqueles que estão cegos pelo ódio ou pela ambição pessoal."

Questionado se há algum protocolo de lockdown, o bloqueio das atividades, Doria afirmou que, por enquanto, não há, mas a medida "não está descartada".

Segundo o secretário de Saúde do estado, José Henrique Germann, as baixas taxas de isolamento registradas nos últimos dias, que estão em média constante de 47%, provavelmente causaram a expansão da doença no estado e a necessidade de prorrogar as medidas de distanciamento.

"A prorrogação da quarentena deve estar acompanhada da nossa taxa de isolamento, que deve estar entre 55% e 60%", disse Germann.

Reabertura da economia

A economista Ana Carla Abraão, coordenadora do Plano São Paulo, disse que a equipe econômica do governo está pronta para colocar em vigor o plano de reabertura gradual da economia paulista , mas isso só será feito "quando os indicadores de saúde determinarem que é o momento seguro".

Em princípio, será necessário que haja uma redução sustentada do número de casos por 14 dias e taxa de ocupação de UTI no estado menor do que 60%. Atualmente, esse índice é de 89%.

O plano será feito em fases e os setores serão priorizados de acordo com a vulnerabilidade econômica e empregatícia. Os protocolos foram construídos após conversas com mais de 150 entidades e 250 empresas.

Doria anunciou também a criação de um conselho municipalista, com 16 prefeitos. O objetivo é ampliar o diálogo e a pactuação das ações entre estado e municípios.

Veja a coletiva de João Doria ao vivo:

yt thumbnail
Acompanhe tudo sobre:CoronavírusJoão Doria Júniorsao-paulo

Mais de Brasil

Enem 2024: prazo de inscrição termina nesta sexta-feira, 14

Alagoas assina convênios para atrair R$ 155 milhões em investimentos em troca de incentivos fiscais

Lula critica falta de acordo entre Zelensky e Putin: 'Estão gostando da guerra'

STF dá 5 dias para Tarcísio e Alesp explicarem reembolso de procuradores por 'excesso de trabalho'

Mais na Exame