Brasil

DiCaprio diz que ONGs atacadas merecem apoio, mas que não as financia

Não há até agora evidência concreta de envolvimento de organizações da sociedade civil em queimadas, apesar dos ataques de Bolsonaro

DiCaprio e Bolsonaro: presidente brasileiro acusou ator de financiar queimadas na Amazônia (Getty/Agência Brasil/Reprodução)

DiCaprio e Bolsonaro: presidente brasileiro acusou ator de financiar queimadas na Amazônia (Getty/Agência Brasil/Reprodução)

DR

Da Redação

Publicado em 30 de novembro de 2019 às 12h35.

Última atualização em 30 de novembro de 2019 às 13h11.

O ator Leonardo DiCaprio divulgou comunicado respondendo ao presidente brasileiro Jair Bolsonaro sobre as acusações, sem provas, de que o ator estaria financiando queimadas criminosas na Amazônia.

Na sexta-feira, ao sair do Palácio do Planalto e tirar fotos com apoiadores, Bolsonaro respondeu a uma mulher que lhe perguntou sobre incêndios. "O Leonardo DiCaprio é um cara legal, não é? Dando dinheiro para tacar fogo na Amazônia", disse o presidente.

O presidente, que desde a campanha fez declarações contrários ao ambientalismo, também havia relacionado DiCaprio a queimadas durante uma transmissão ao vivo em seu Facebook, em declarações que repercutiram internacionalmente.

Em comunicado divulgado na noite de sexta-feira e reproduzido pela rede britânica BBC, DiCaprio afirma que "embora certamente mereçam apoio", ele não financia as organizações "que estão atualmente sob ataque".

O ator, conhecido por sua defesa da causa ambiental, disse ter "orgulho de estar ao lado dos grupos que os protegem".

DiCapriou também elogiou o "povo brasileiro que vem trabalhando para salvar suas heranças culturais e naturais". "O futuro destes ecossistemas insubstituíveis está em jogo", disse.

Nesta semana, quatro brigadistas ligados a ONGs que atuam na Amazônia foram presos em Alter do Chão, no Pará, sob acusações controversas de terem ateado fogo na floresta.

Críticos afirmam que a prisão, pouco explicada pelas autoridades, foi uma forma de o governo intimidar organizações ambientais que atuam na região.

A Justiça determinou a soltura dos brigadistas na quinta-feira. Após a soltura dos brigadistas, o governador Pará, Helder Barbalho (MDB), anunciou a troca do delegado que cuida do caso.

Bolsonaro já havia dito em ocasiões anteriores que os incêndios que ocorriam na região amazônica poderiam ter origem criminosa e que ONGs de proteção ao meio ambiente poderiam estar envolvidas.

Não há até agora, no entanto, nenhuma evidência concreta de envolvimento de organizações da sociedade civil em queimadas.

DiCaprio, por sua vez, criou em agosto uma iniciativa batizada de "Earth Alliance" (aliança pela Terra, em tradução livre) para apoio a causas ambientais, em parceria com filantropos como Lauren Jobs, víuva de Steve Jobs.

O ator afirmou que iria doar a ONGs e indígenas brasileiros 5 milhões de dólares, e que iria recolher mais doações para o que esperava que se tornasse um fundo permanente de apoio à Amazônia. As ONGs que atuam em Alter do Chão, contudo, não apareciam na lista divulgada pela Earth Alliance para doação.

O desmatamento na Amazônia cresceu 29,5% entre agosto de 2018 e julho de 2019, o maior índice em 11 anos, segundo dados divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) por meio de monitoramento por satélite. Foram mais de 9.000 quilômetros quadrados de área desmatada no período. 

Acompanhe tudo sobre:AmazôniaJair BolsonaroLeonardo DiCaprioPará

Mais de Brasil

Justiça condena Lula e Boulos por propaganda antecipada em ato de 1º de Maio

Lula diz que deve sancionar PL que legaliza jogos de azar caso seja aprovado no Congresso

Revolta e incerteza marcam volta de alagamentos em Eldorado do Sul

STF analisa recurso que pode caçar mandato de deputados beneficiados pelas "sobras eleitorais"

Mais na Exame