Brasil

Diante de estrangeiros, ministros do TSE defendem democracia

Lewandowski destacou a “facilidade para votar, extrema simplicidade na expressão do voto”. Ele acrescentou que outra vantagem é a rapidez com que se sabe o resultado da votação

Observadores internacionais participam de seminário em Brasília (Nelson Jr./SCO/STF/Reprodução)

Observadores internacionais participam de seminário em Brasília (Nelson Jr./SCO/STF/Reprodução)

AB

Agência Brasil

Publicado em 30 de setembro de 2022 às 15h18.

Última atualização em 30 de setembro de 2022 às 15h36.

O vice-presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Ricardo Lewandowski, e a ministra Cármen Lúcia, que é membra efetiva da Corte Eleitoral, defenderam hoje, 30, a democracia e processo de votação eletrônico no Brasil.

Os dois participaram na manhã desta sexta-feira, 30, em Brasília, do segundo dia de um seminário voltado para observadores internacionais das Eleições 2022. O evento começou ontem, 29, quando os estrangeiros foram recebidos pelos presidentes do TSE, Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), Rosa Weber, e do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco.

Hoje, Lewandowski participou de uma mesa sobre o sistema eletrônico de votação e discursou sobre o tema "as urnas eletrônicas como instrumento da expressão da soberania popular".

O ministro fez um apanhado histórico sobre a urna eletrônica, frisando que o equipamento é seguro e auditável, além de ser simples, o que favorece a acessibilidade do voto, que pode ser desempenhado pelos eleitores, dos mais aos menos instruídos, incluindo os analfabetos.

Quer receber os fatos mais relevantes do Brasil e do mundo direto no seu e-mail toda manhã? Clique aqui e cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta

Simplicidade

Lewandowski destacou a “facilidade para votar, extrema simplicidade na expressão do voto”. Ele acrescentou que outra vantagem é a rapidez com que se sabe o resultado da votação. “Isso pacifica o país”, garantiu.

“Nunca se teve nenhuma dúvida quanto a autenticidade, segurança e certeza quanto aquilo que é proclamado oficialmente pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE)”, afirmou Lewandowski.

A ministra Cármen Lúcia discursou em seguida sobre o tema “desafios da democracia no mundo e na América Latina”. Ela afirmou que, mais que mera idealização, esse é um regime político que se vive diariamente.

“Quando falamos que a democracia é necessária não se trata de narrativa e nem de discurso, estamos falando de que escolha temos na vida para viver”, disse ela. “Qualquer comprometimento ou tentativa de botar abaixo as construções democráticas na sociedade e no estado são graves”, acrescentou a ministra do TSE.

LEIA TAMBÉM:

Todos os ministros do TSE vão acompanhar apuração para rebater contestações

Teste de biometria das urnas será realizado em 56 urnas de 19 estados e DF

Acompanhe tudo sobre:Alexandre de MoraesCármen LúciaRicardo LewandowskiSupremo Tribunal Federal (STF)TSE

Mais de Brasil

Mendonça sugere que multa de leniências da Lava Jato seja usada para ajudar o RS

Tarcísio estima economia de R$ 1,7 bi por ano com auditoria de aposentadorias e prova de vida

Às vésperas de posse na Petrobras, Magda Chambriard já dá expediente na companhia

PF pede inquérito contra Chiquinho Brazão por suspeita de desvio de emendas parlamentares

Mais na Exame