Brasil

DF pedirá antecipação de R$ 412 mi à presidente Dilma

Rollemberg destacou que a prioridade será pagar salários atrasados de servidores, especialmente o 13º salário


	Rollemberg destacou que a prioridade será pagar salários atrasados de servidores
 (Elza Fiúza/Agência Brasil)

Rollemberg destacou que a prioridade será pagar salários atrasados de servidores (Elza Fiúza/Agência Brasil)

DR

Da Redação

Publicado em 1 de janeiro de 2015 às 14h26.

Brasília - O governador recém-empossado do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB), disse no início da tarde desta quinta-feira que irá pedir à presidente Dilma Rousseff a antecipação de R$ 412 milhões em recursos de fundos constitucionais para pagar dívidas deixadas por seu antecessor, Agnelo Queiroz (PT). Rollemberg destacou que a prioridade será pagar salários atrasados de servidores, especialmente o 13º salário.

"O primeiro grande desafio é conseguir equilibrar as contas. Nós estamos com gestões junto ao governo federal para que haja antecipação da segunda parcela do fundo constitucional para que a gente possa avançar. Essa é a prioridade: regularizar os pagamentos e serviços. Se conseguirmos esse adiantamento, vamos avançar e garantir receita antecipada", afirmou Rollemberg, durante entrevista coletiva.

O novo governador do DF tomou posse nesta manhã com o desafio de superar uma grave crise nas contas públicas, avaliada pela sua equipe de transição em R$ 3,8 bilhões.

A situação financeira local se agravou depois das eleições de outubro, nas quais o candidato à reeleição, Agnelo Queiroz, foi derrotado, ficando fora do segundo turno.

Desde então, o governo distrital passou a atrasar salários de servidores e o pagamento de empresas que prestam serviços ao governo. Agnelo sai do governo deixando uma dívida consolidada de mais de R$ 2 bilhões, comprometendo cerca de 15% da receita corrente líquida de 2015.

O DF está entre as dez Unidades de Federação com o maior comprometimento orçamentário com amortização de dívidas.

Acompanhe tudo sobre:distrito-federalGovernadoresGoverno Dilma

Mais de Brasil

Gonet diz que 'não faz sentido' proibir delação premiada de presos, proposta em discussão na Câmara

STF tem maioria para derrubar pontos da reforma da Previdência que atingem servidores públicos

CCJ do Senado aprova liberação de cassinos, bingos e jogo do bicho

Mais na Exame