Acompanhe:

Defesa diz que recorrerá da condenação contra Vaccari

A defesa do ex-tesoureiro do PT disse que não há "sequer uma única indicação de qualquer prova" contra ele

Modo escuro

Continua após a publicidade

	O ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto
 (Marcelo Camargo/ Agência Brasil)

O ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto (Marcelo Camargo/ Agência Brasil)

D
Daniel Galvão

Publicado em 21 de setembro de 2015 às, 22h23.

São Paulo - A defesa do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto afirmou na noite desta segunda-feira, 21, em nota, que não há, em nenhuma das 350 páginas da sentença condenatória "sequer uma única indicação de qualquer prova" contra ele.

O comunicado, assinado pelo advogado de Vaccari Neto, o criminalista Luiz Flávio Borges D’urso, afirma que a lei estabelece que não pode haver condenação criminal baseada exclusivamente em informações de delação premiada.

O juiz federal Sérgio Moro condenou nesta segunda-feira Vaccari a 15 anos e 4 meses de prisão por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

De acordo com D'urso, a sentença "incorre nesse grave equívoco". Ele afirma que recorrerá contra a condenação.

"Reitera-se que, em verdade, o sr. Vaccari, enquanto tesoureiro do Partido dos Trabalhadores, cumprindo a obrigação que o cargo lhe impõe, sempre solicitou doação para seu partido, aliás, conduta esperada de qualquer tesoureiro de todos os partidos políticos, o que é absolutamente legal", escreveu o advogado.

D'urso disse que "jamais o sr. Vaccari - e nunca se provou o contrário - solicitou, negociou ou recebeu qualquer recurso de origem ilícita".

O advogado declarou também que não é obrigação do tesoureiro de qualquer partido investigar a origem do dinheiro que foi depositado como doação na conta da legenda.

Segundo D'urso, a tarefa é de competência do Estado, por meio dos órgãos oficiais. "Dessa forma, não há crime algum na conduta de tesoureiro que indica a conta de seu partido, quando procurado por alguém que manifesta intenção de doar à agremiação política."

Conforme a defesa, o "eventual recibo de depósito na conta do partido nada prova além da doação realizada legalmente". "A denúncia foi baseada exclusivamente em três delações, de Alberto Youssef, de Barusco e de Augusto Mendonça.

Durante toda instrução processual, em que pese o imenso esforço da Polícia Federal e do Ministério Público Federal, nenhuma prova foi produzida a confirmar tais versões, restando a absoluta ausência de provas contra o sr. Vaccari", escreveu o criminalista.

Na análise de D'urso, a sentença contra Vaccari não considera partes de depoimentos desses delatores que isentariam o cliente de crime.

Últimas Notícias

Ver mais
Seleção do júri de julgamento de Trump entra na fase final
Mundo

Seleção do júri de julgamento de Trump entra na fase final

Há 19 horas

Governo tenta barrar PEC que aumenta ganhos de juízes e promotores
Brasil

Governo tenta barrar PEC que aumenta ganhos de juízes e promotores

Há um dia

PEC que aumenta salários de juízes avança no Senado e tem ampliação
Brasil

PEC que aumenta salários de juízes avança no Senado e tem ampliação

Há um dia

Justiça reconduz presidente do Conselho de Administração da Petrobras
Brasil

Justiça reconduz presidente do Conselho de Administração da Petrobras

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais