A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Datena afirma ser pré-candidato a Presidência

Nesta semana, Datena filiou-se ao PSL, partido que elegeu o presidente Jair Bolsonaro na eleição de 2018, mas ao qual o presidente de desfiliou

José Luiz Datena afirmou nesta sexta-feira durante seu programa na Rádio Bandeirantes que é pré-candidato a Presidência da República na eleição do ano que vem pelo PSL, partido ao qual se filiou nesta semana.

  • Acompanhe as notícias mais importantes em tempo real. Assine a EXAME.

O apresentador, que no passado já chegou a se filiar a outros partidos para disputar eleições, mas acabou desistindo, afirmou que a confirmação da candidatura dependerá de seu desempenho em pesquisas eleitorais e também não descartou disputar o governo de São Paulo ou uma vaga no Senado.

"Hoje, hoje, neste momento, como o partido decidiu, o Bivar decidiu e a Executiva do partido decidiu, eu sou pré-candidato à Presidência da República. Hoje! Eu sou pré-candidato à Presidência da República", disse Datena em seu programa, quando questionado sobre a possibilidade de se candidatar pelo jornalista Leonardo Sakamoto, a quem entrevistava, e referindo-se ao presidente nacional do PSL, o deputado federal Luciano Bivar (PE).

"Eu também não sou um cara burro. Se eu tiver perdendo de 10 x 0 ou de 7 x 1, como o Brasil da Alemanha, não dá para empatar. Se passar de dois dígitos em avaliação, em pesquisa científica e tal, eu vou para o pau com os caras e não tenho medo de nenhum deles. De nenhum deles, absolutamente de nenhum deles. Aí o cara me perguntou assim 'você vai ser oposição ao Bolsonaro?' Pô, é óbvio, se eu sou candidato eu tenho que ser oposição a ele, ao Lula, ao Ciro, a todo mundo", acrescentou.

Apresentador de rádio e do programa "Brasil Urgente", um dos principais telejornais policiais do país, transmitido pela Band, Datena tem um dos mais elevados salários da TV brasileira.

Ex-filiado ao PT, Datena filiou-se ao PP em 2015 e anunciou sua pré-candidatura à prefeitura de São Paulo no pleito do ano seguinte, mas acabou desistindo da empreitada já no ano da eleição.

Em 2018, filiado ao DEM, também lançou uma pré-candidatura ao Senado por São Paulo, mas também desistiu, e o mesmo se deu em 2020, quando chegou a flertar com uma pré-candidatura à prefeitura paulistana pelo MDB.

Nesta semana, Datena filiou-se ao PSL, partido que elegeu o presidente Jair Bolsonaro na eleição de 2018, mas ao qual o presidente de desfiliou após uma disputa interna com Bivar pelo comando da sigla. Desde então, Bolsonaro está sem partido. Ele precisa filiar-se a uma legenda para estar apto a buscar a reeleição no ano que vem.

Na ocasião da filiação de Datena, a Executiva Nacional do PSL --que era um partido nanico até a eleição de Bolsonaro em 2018-- manifestou "total apoio" à pré-candidatura do apresentador ao Planalto.

No seu programa de rádio nesta sexta, Datena também aventou a possibilidade de disputar o governo do Estado de São Paulo ou uma vaga no Senado.

"Mas tenho possibilidade de Senado ou de governo também se a campanha (a presidente) não decolar. Se decolar, sei lá, aí eu vou para o pau mesmo", afirmou.

O governador atual de São Paulo é João Doria (PSDB), ex-apresentador e ex-colega de Datena na Band.

Doria é pré-candidato à Presidência pelo PSDB e disputará as prévias que definirá em novembro o postulante ao Planalto pelo partido. Recentemente ele patrocinou a filiação ao PSDB de seu vice, Rodrigo Garcia, apontado como candidato natural à sucessão, caso Doria dispute o Planalto ou decida não buscar a reeleição ao Palácio dos Bandeirantes.

A única vaga ao Senado pelo Estado que estará em disputa no ano que vem pertence atualmente a José Serra (PSDB), que já indicou que buscará a reeleição.

Datena também disse apostar que a disputa presidencial de 2022 não será polarizada entre Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

"Eu acho que não vai ficar nessa polarização. A tendência é a polarização, mas eu acho que não vai ficar nisso não", avaliou.

As pesquisas eleitorais divulgadas até agora mostram Lula com ampla vantagem sobre Bolsonaro e o atual presidente bem distante de Ciro Gomes (PDT), que aparece em terceiro na maioria das sondagens.

Outros nomes que são mencionados como possibilidade de uma terceira via --como o de Doria e dos ex-ministros Luiz Henrique Mandetta (DEM) e Sergio Moro (sem partido)-- não decolaram até agora.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também