Brasil

DataFolha: Covas sobe a 32%; Boulos atinge 16% e Russomanno cai para 14%

A pesquisa, contratada pela TV Globo e pelo jornal Folha de S.Paulo, foi realizada nos dias 9 e 10 com 1.512 eleitores da capital paulista

Eleições 2020: Boulos e Russomanno disputam o segundo lugar (Montagem Exame/Divulgação)

Eleições 2020: Boulos e Russomanno disputam o segundo lugar (Montagem Exame/Divulgação)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 12 de novembro de 2020 às 08h02.

Última atualização em 12 de novembro de 2020 às 08h05.

Na reta final da corrida à Prefeitura de São Paulo, o prefeito Bruno Covas (PSDB) segue em ascensão, com 32% das intenções de voto, segundo pesquisa Datafolha divulgada no final da noite desta quarta-feira, 11. Há uma semana, o tucano tinha 28%.

Em segundo lugar, empatados tecnicamente, estão Guilherme Boulos (PSOL), que subiu de 14% para 16%, Celso Russomanno (Republicanos), que recuou de 16% para 14%, e Márcio França (PSB), que caiu de 13% para 12%. Como o levantamento tem margem de erro de três pontos porcentuais para mais ou para menos, fica caracterizado o empate técnico entre os três.

O petista Jilmar Tatto (PT) marcou 4%, mesmo porcentual de Arthur do Val (Patriota). Joice Hasselmann (PSL) tem 3% e Andrea Matarazzo (PSD) tem 2%. Os demais candidatos têm 1% ou menos.

A divulgação da pesquisa foi censurada ao longo do dia por decisões da Justiça Eleitoral, após pedido de Russomanno. O candidato do Republicanos alegou distorções nos critérios da pesquisa. No fim da noite, o Datafolha obteve um mandado de segurança no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de São Paulo para publicar os dados.

A pesquisa, contratada pela TV Globo e pelo jornal Folha de S.Paulo, foi realizada nos dias 9 e 10 com 1.512 eleitores da capital paulista.

Acompanhe tudo sobre:Bruno CovasCelso RussomannoDatafolhaEleições 2020Guilherme Boulossao-paulo

Mais de Brasil

Secretário de Turismo diz que 53% das atrações públicas do RS foram danificadas

Prefeito de Canoas diz que reconstrução de prédios públicos demanda mais de R$ 200 milhões

OPINIÃO: Nunca esqueceremos

Enchentes no RS: sobe para 155 o número de mortos; 94 pessoas seguem desaparecidas

Mais na Exame