Brasil

Cunhado de Odebrecht teria destruído provas, diz jornal

O episódio é mais um capítulo da briga na família Odebrecht

Marcelo Odebrecht: ex-presidente da empresa está brigado com a família (Rodolfo Buhrer/Reuters)

Marcelo Odebrecht: ex-presidente da empresa está brigado com a família (Rodolfo Buhrer/Reuters)

Diogo Max

Diogo Max

Publicado em 4 de fevereiro de 2018 às 12h47.

Última atualização em 4 de fevereiro de 2018 às 12h50.

São Paulo – Marcelo Odebrecht insinuou que Maurício Ferro, seu cunhado e vice-presidente jurídico da empreiteira, teria destruído as provas do Departamento de Operações Estruturadas, como era conhecido o setor de propinas dentro da empresa. A informação foi publicada neste domingo pelo jornal Folha de S. Paulo.

Segundo a reportagem, o próprio Odebrecht pediu a Ferro que liquidasse o departamento no início de 2015. O desmantelo do setor, ainda de acordo com o jornal, pode ser interpretado como ato de obstrução de Justiça, crime que é punido pela legislação com pena de 3 a 8 anos de prisão.

Marcelo está em briga com o clã Odebrecht desde a assinatura do acordo de delação premiada, pois considera que o tempo de prisão dele foi muito maior do que outros executivos do grupo que também sabiam sobre o setor de propinas da empreiteira, segundo a reportagem.

Um desses executivos, de acordo com o jornal, é Maurício Ferro, preso pela Lava Jato em meados de 2015. O executivo ficou detido por 2 anos e meio e foi posto em prisão domiciliar antes do último Natal.

Briga na família

O episódio é mais um capítulo da briga na família Odebrecht.

Rompido com o pai, Emílio, Marcelo terá de ficar até 2025 longe da empresa por ordem da Justiça. A briga é tão grande que o próprio pai forçou uma cláusula no regimento da empresa que pode impedir para sempre o retorno do filho para a companhia.

Marcelo, inclusive, já articulou um golpe para derrubar o pai da presidência da Kieppe, a holding que controla todos os negócios da família. Tentou convencer tios e primos a ficar do seu lado, mas o tiro não deu certo.

Acompanhe tudo sobre:Marcelo OdebrechtNovonor (ex-Odebrecht)Operação Lava Jato

Mais de Brasil

Gonet diz que 'não faz sentido' proibir delação premiada de presos, proposta em discussão na Câmara

STF tem maioria para derrubar pontos da reforma da Previdência que atingem servidores públicos

CCJ do Senado aprova liberação de cassinos, bingos e jogo do bicho

Mais na Exame