Acompanhe:

A percepção de que a China representa uma ameaça à soberania dos Estados Unidos é um dos poucos pontos em que a opinião política da população estadunidense realmente converge. “A China será a prioridade de qualquer presidente norte-americano, seja democrata, seja republicano. Essa revisão estratégica começa nos mandatos Obama e avança durante os anos de Trump de uma forma caótica — como tudo em seu mandato —, com uma ‘lista negra’ de empresas chinesas. Biden triplicou a lista de Trump. A única diferença essencial entre esses dois é que Biden não fala da China nas redes sociais. O pensamento estadunidense sobre o país asiático é unilateral e consensual [na percepção da ameaça]”, defende Paulo Portas, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, em entrevista ao Canal UM BRASIL — uma realização da FecomercioSP.

Segundo Portas, a perturbação que a ascensão de uma potência desafiante causa em uma já estabelecida pode ocasionar conflitos de proporções política, comercial e de segurança, de modo que, para essas duas nações, o ideal é que se estabeleça um sistema regular de diálogo em que se encontre uma agenda de interesses mútuos sobre os quais ambas possam trabalhar.

Na entrevista, o ex-ministro lembra que o mar do Sul da China é uma das regiões mais perigosas para fomento de um conflito, em particular por causa de uma possível declaração de independência de Taiwan, ilha que a China considera uma província separatista e que deveria, mais cedo ou mais tarde, voltar ao seu controle.

Taiwan independente

Taiwan, por outro lado, se vê como um país independente. O questionamento que fica é qual seria a atitude dos EUA diante de uma conflagração que cerca o que é, hoje, um dos epicentros comerciais e de desenvolvimento do mundo — sobretudo na produção de semicondutores —, com elevada relevância para a economia internacional.

“Eu acredito que o tema seja gerível. Nós sabemos quais são os dois pontos de tensão. Os chineses dizem que se houver declaração de independência, não existirá alternativa que não a invasão de Taiwan; os norte-americanos dizem que se os chineses invadirem Taiwan, estarão obrigados a pôr em prática o tratado de defesa que existe há décadas, de maneira ainda mais significativa do que tem feito com a Ucrânia, ou seja, enviar soldados para defender aquele território. O diálogo é inevitável, e o mundo precisa absolutamente que ele ocorra”, reforça.

Nesse cenário, o ponto de equilíbrio que Portas sugere é que, como a declaração de independência é inaceitável pela China, não é o primeiro item na lista de importâncias de Taiwan, mas simboliza um fato determinante para desencadear uma defesa norte-americana, então, é melhor que a declaração não ocorra. “Esse é o ponto gerível. Mas isso implica que China e EUA se percebam”, conclui.

Veja a entrevista completa

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Prefeitura anuncia plano para transformar 11% de SP em área verde e prevê indenizações
Brasil

Prefeitura anuncia plano para transformar 11% de SP em área verde e prevê indenizações

Há 7 horas

Tebet sobre precatórios: Mesmo zerando jogo para trás, há montante de R$ 88 bi a pagar em 2024
Brasil

Tebet sobre precatórios: Mesmo zerando jogo para trás, há montante de R$ 88 bi a pagar em 2024

Há 7 horas

Edital do novo concurso da Caixa com mais de 4 mil vagas sai nesta quinta-feira
Brasil

Edital do novo concurso da Caixa com mais de 4 mil vagas sai nesta quinta-feira

Há 7 horas

Morre o sociólogo Luiz Werneck Vianna, aos 86 anos
Brasil

Morre o sociólogo Luiz Werneck Vianna, aos 86 anos

Há 7 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais