Brasil

Como as imagens sobre o protesto do dia 26 estão circulando no WhatsApp

A primeira imagem sobre os atos, que estão marcados para acontecer em todo o país, foi uma com o logo do movimento NasRuas

Manifestantes comemoram vitória de Bolsonaro na eleições de 2018 no Rio de Janeiro (Clarke Hill/Getty Images)

Manifestantes comemoram vitória de Bolsonaro na eleições de 2018 no Rio de Janeiro (Clarke Hill/Getty Images)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 22 de maio de 2019 às 16h56.

São Paulo — As imagens que convocam para as manifestações favoráveis ao presidente, que acontecem neste domingo (26), começaram a se destacar entre as mais circuladas do WhatsApp no dia 16, quinta-feira, um dia após os atos contrários ao governo e aos cortes na Educação.

Como forma de rebater os protestos, apoiadores de Bolsonaro se mobilizaram para ir às ruas e, desde então, o teor das mensagens tem sido direcionado para atacar o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF).

Uma análise feita pelo jornal O Estado de S. Paulo no WhatsApp Monitor, ferramenta de pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), mostra que a primeira imagem sobre o próximo domingo a ficar entre as 30 mais compartilhadas de um determinado dia em grupos públicos do aplicativo foi uma com o logo do movimento NasRuas.

Foi no sábado passado, porém, que as imagens com convocatórias para o próximo domingo dominaram de vez os grupos públicos.

Àquela altura, além de conter detalhes dos atos em cada cidade, as imagens passaram a atacar abertamente o Congresso e o Supremo. Uma delas chega a pedir o fechamento das duas instituições, enquanto outras buscam desmoralizá-las.

A ideia de um Bolsonaro messiânico, capaz de enfrentar o "establishment" com o apoio das ruas, passou a dominar. Nessas mensagens, imprensa, reitores de universidades e classe artística se juntam ao Legislativo e ao Judiciário para formar o que os apoiadores do presidente classificam como "sistema".

No dia anterior, sexta-feira, Bolsonaro havia compartilhado um texto que versava sobre as dificuldades de se governar de acordo com as regras do jogo político. A mensagem dizia que, "fora desses conchavos, o Brasil é ingovernável".

É por isso, segundo a corrente, que o país está "disfuncional", o que isentaria o presidente de culpa. "Até agora (o presidente) não aprovou nada", diz o texto.

De lá para cá, o bolsonarismo mais institucional ficou dividido. Apoiadores do presidente se posicionaram contra a ideia de buscar nas ruas o aval para um governo avesso à articulação — nomes como a deputada estadual Janaina Paschoal (PSL) e o presidente do partido de Bolsonaro, deputado Luciano Bivar (PSL-PE).

A líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), chegou a ter um embate no Twitter com a deputada Carla Zambelli (PSL-SP), ex-líder do NasRuas, depois de ser acusada por ela de omissão por não postar nas redes sociais um apoio explícito às manifestações.

O monitor da UFMG acompanha 350 grupos públicos do WhatsApp — ou seja, aqueles nos quais é possível entrar apenas com um link — e enumera as imagens, áudios, mensagens e links que mais circulam dia a dia.

Como o aplicativo tem criptografia de ponta a ponta, não é possível monitorar o que é compartilhado entre usuários fora desses grupos.

"Dissidentes"

As manifestações em defesa do presidente Jair Bolsonaro marcadas para o próximo domingo estão sendo organizadas por grupos dissidentes das principais organizações que comandaram o movimento pelo impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff e apoiaram Bolsonaro no segundo turno das eleições de 2018.

A esses movimentos, articulados majoritariamente pelo WhatsApp, se soma uma rede de influenciadores digitais alinhados com o clã Bolsonaro e com o núcleo ideológico do governo, que tem o escritor Olavo de Carvalho como principal referência.

Enquanto os dois principais grupos anti-Dilma de 2015 — o Movimento Brasil Livre e o Vem Pra Rua — se afastaram de Bolsonaro e adotaram bandeiras institucionais como a reforma da Previdência, outros de matriz mais radical mantiveram o discurso antiesquerda que pautou a eleição presidencial e os discursos.

Para evitar o isolamento, as pautas do dia 26 são difusas: defesa do pacote anticrime do ministro Sérgio Moro (Justiça), CPI da Lava Toga e reforma da Previdência.

O que prevalece, porém, é uma retórica contra a classe política, que é acusada de conspirar para derrubar o presidente. O Centrão, que será crucial na aprovação de projetos de interesse do governo no Congresso, se tornou alvo principal da rede bolsonarista.

Segundo levantamento feito pelo jornal O Estado de S. Paulo, os principais grupos à frente dos atos do próximo domingo são Avança Brasil, Consciência Patriótica, Direita São Paulo e Movimento Brasil Conservador. Além deles, dezenas de outros grupos menores atuam nas redes sociais.

Seguidores

Em número de seguidores, nenhum deles supera o MBL, com 3,4 milhões no Facebook, nem o Vem Pra Rua, com 2,3 milhões. O grupo pró-Bolsonaro com mais seguidores é o Avança Brasil, com 1,5 milhão.

"Aqui tem olavetes, intervencionistas, católicos e templários. Todos queremos um Brasil melhor", afirmou a dona de casa e estudante Elizabeth Rezende, uma das líderes do Juntos pela Pátria, grupo que tem 12 mil seguidores.

Na manifestações de 2015 lideradas pelo MBL e o Vem Pra Rua, Elizabeth estava de verde-amarelo no meio da multidão. Em 2017, filiou-se ao PSL para disputar uma vaga de deputado estadual. Derrotada, passou a se dedicar ao grupo que hoje lidera.

Já o Direita São Paulo é mais antigo e estruturado. O grupo tem sede própria e terá um carro de som na Avenida Paulista, no ato de domingo.

Além disso, tem discurso afinado com Bolsonaro e com o núcleo ideológico do governo. "Bolsonaro não tem de fazer acordos com o Centrão e a velha política em troca de favores", afirmou um dos líderes do grupo, Edson Salomão.

Outro movimento que se organiza para o dia 26 é o monarquista. Segundo o líder da Confederação Monárquica no Rio, Rodrigo Dias, o grupo vai reforçar o apoio ao pacote anticrime de Moro e à manutenção do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) na Justiça. Além disso, afirmou, terá espaço a "causa monárquica".

Acompanhe tudo sobre:Jair BolsonaroProtestos no BrasilWhatsApp

Mais de Brasil

Prefeitura de SP vai fechar parques quando houver previsão de chuvas fortes

Secretária executiva do MEC, Izolda Cela comunica saída da pasta

Base de Canoas passará a ter dez voos por dia, anuncia governo

Paraná Pesquisas: em SP, Nunes tem 28,1%; Boulos, 24,2%; Datena, 12,1%; e Tabata, 9,1%

Mais na Exame