Acompanhe:

Com lema "Brasil não pode parar", MEC reafirma prazo de inscrição do Enem

Peça publicitária divulgada nas redes sociais mantém datas do Enem 2020, mesmo após a justiça determinar adiamento das provas

Modo escuro

Continua após a publicidade
Enem 2020: vídeo orienta estudantes a estudarem pela internet; nas redes sociais, educadores apontam que o MEC não leva em conta as desigualdades sociais dos alunos (MEC/Reprodução)

Enem 2020: vídeo orienta estudantes a estudarem pela internet; nas redes sociais, educadores apontam que o MEC não leva em conta as desigualdades sociais dos alunos (MEC/Reprodução)

C
Clara Cerioni

Publicado em 5 de maio de 2020 às, 10h48.

Última atualização em 5 de maio de 2020 às, 10h52.

Apesar da pandemia do novo coronavírus, o Ministério da Educação (MEC) reafirmou nesta segunda-feira, 4, que vai manter as datas de inscrição para o Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem 2020.

Os alunos que forem prestar a prova, marcada para novembro, devem realizar a inscrição entre os dias 11 e 22 de maio, pelo site oficial do Enem.

Desde o início da pandemia, o ministro da pasta, Abraham Weintraub, vem se recusando a mudar os prazos do principal exame para inserção em universidades do país. Em publicações recentes, ele diz que "O Brasil não pode parar".

Uma decisão da Justiça Federal de São Paulo já impôs adiamento do Enem, mas o MEC está recorrendo. Entidades como o Conselho Nacional dos Secretários de Educação e o Conselho Nacional de Educação já se manifestaram a favor da remarcação da prova.

Nesta segunda-feira, 4, no entanto, a pasta divulgou uma peça publicitária reforçando que vai manter os prazos de inscrição. O lema da propaganda é que "O Brasil não pode parar", seguido de que "a vida precisa continuar".

Nela, quatro estudantes secundaristas, gravando com os próprios celulares, incentivam o estudo à distância e pela internet. "Estude, de qualquer lugar, de diferentes formas. Por livros, internet, com a ajuda à distância dos professores", diz uma das alunas.

No Twitter, o vídeo recebeu diversos comentários críticos, por recomendar uma forma de estudo inacessível para alunos de baixa renda ou que vivem em situação de vulnerabilidade.

Uma das professoras de história com mais visibilidade do Youtube, a educadora Débora Aladim, publicou um vídeo na noite de ontem afirmando que o "MEC está tentando fingir normalidade" em uma situação de emergência de saúde pública.

Já a União Nacional dos Estudantes divulgou uma nota sustentando que "sem aulas presenciais aumentam as desigualdades, porque muitos estudantes não têm internet e às vezes nem livros para estudar em casa".

Últimas Notícias

Ver mais
Prouni 2024: MEC adia divulgação novamente dos resultados da segunda chamada; veja nova data
Brasil

Prouni 2024: MEC adia divulgação novamente dos resultados da segunda chamada; veja nova data

Há 21 horas

Novo Ensino Médio: ministro reconhece falhas e procura relator dois meses após última conversa
Brasil

Novo Ensino Médio: ministro reconhece falhas e procura relator dois meses após última conversa

Há 22 horas

Prouni: MEC adia divulgação dos resultados da 2ª chamada para esta quarta; veja como consultar
Brasil

Prouni: MEC adia divulgação dos resultados da 2ª chamada para esta quarta; veja como consultar

Há um dia

Prouni 2024: resultados da 2ª chamada são divulgados nesta terça; saiba como consultar
Brasil

Prouni 2024: resultados da 2ª chamada são divulgados nesta terça; saiba como consultar

Há 2 dias

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais