Com falta de testes, número real sobre coronavírus no Brasil é incógnita

Situação se repete nas principais capitais da América latina; entenda o quadro geral na região

Pergunte aos principais médicos das maiores cidades da América Latina se eles confiam nos números de coronavírus fornecidos pelos governos e muitos darão um veredicto vergonhoso: nem um pouco.

É como “caminhar cegamente pela floresta, porque o número oficial de casos não é real”, disse Francisco Moreno, chefe de medicina interna do Hospital ABC, na Cidade do México. “Não sabemos onde estamos na curva”, afirmou sobre os dados de seu país.

A América Latina, com mais de 620 milhões de habitantes em uma das regiões mais urbanizadas do planeta, durante várias semanas parecia – com base em dados oficiais – ter escapado do pior da pandemia. No total, os governos da região relataram cerca de 40.000 casos e 1.560 mortes.

Mas entrevistas com vários profissionais de saúde em seis países mostram o quadro de uma epidemia que – se ainda não está fora de controle – mostra um número muito baixo de testes e de casos subnotificados. Embora governos da Europa e dos EUA tenham sido criticados por não realizarem testes com rapidez suficiente, a falta de kits na América Latina é muito pior do que em países desenvolvidos e destaca os problemas enfrentados pelos governos enquanto todos competem para garantir suprimentos médicos.

Porto seguro ou ninho de infecções? Surto na América Latina pode ser muito pior do que o revelado até agora Porto seguro ou ninho de infecções? Surto na América Latina pode ser muito pior do que o revelado até agora

Porto seguro ou ninho de infecções? Surto na América Latina pode ser muito pior do que o revelado até agora (Divulgação/Bloomberg)

Existem problemas em toda a região. Na Argentina, o governo acrescenta casos considerados negativos por meio de exames médicos aos confirmados por testes. E, na Venezuela, as diretrizes do governo ainda determinam que os testes sejam disponibilizados apenas para os que viajaram ao exterior ou tiveram contato com um caso suspeito ou confirmado.

Esses problemas reforçam o coro crescente de profissionais de saúde, segundo os quais o surto pode ser muito pior do que o imaginado.

Com mais de um terço das infecções da América Latina, o Brasil tem 13.700 casos confirmados, embora os testes correspondam a 258 pessoas por milhão, segundo o site de estatísticas Worldometer. O México ocupa o último lugar entre os maiores países, com apenas 159 testes por milhão.

Com base no que foi oficialmente divulgado, as curvas de crescimento não são tão agressivas quanto o acelerado aumento de casos na Itália, EUA e outros países. Elas também desmentem o que se sabe sobre um vírus que foi descrito como “insidioso” por causa da furtividade com a qual se espalha.

A subnotificação de casos na América Latina pode alimentar infecções a longo prazo A subnotificação de casos na América Latina pode alimentar infecções a longo prazo

A subnotificação de casos na América Latina pode alimentar infecções a longo prazo (Divulgação/Bloomberg)

Perto do outro extremo do espectro está o Equador, que testa cerca de 740 por milhão de pessoas. Na semana passada, o presidente Lenin Moreno reconheceu a grande lacuna entre a realidade e os dados divulgados quando disse: “Certamente, temos dezenas de milhares de contágios”. A contagem oficial no Equador no dia do pronunciamento era de 3.163 casos.

Corpos são abandonados nas calçadas da cidade portuária de Guayaquil, já que equipes de emergência encontram dificuldade para coletar os mortos. Gabriela Reyes disse que, na sexta-feira, ela e sua família não conseguiram que ninguém retirasse o corpo do tio, que morreu em 28 de março.

“Ele está na cama da minha avó, em um quarto refrigerado com ar condicionado”, disse por telefone.

A situação é agravada por problemas profundamente enraizados que atormentam alguns países da região há décadas: sistemas de saúde saturados, instituições frágeis e tendência a maquiar a divulgação de dados e estatísticas.

Casos de coronavírus na América do Sul Casos de coronavírus na América do Sul

Casos de coronavírus na América do Sul (Divulgação/Bloomberg)

É possível que a epidemia na América Latina não esteja se comportando da mesma maneira do que em outras regiões. Também pode ser o caso de que quarentenas decretadas logo no início do surto tenham contido a propagação. Mas, sem mais testes e dados confiáveis, disseram os entrevistados, não há como ter certeza.

Início antecipado: a maioria dos países latino-americanos adotou medidas em todo o país antes que os casos aumentassem Início antecipado: a maioria dos países latino-americanos adotou medidas em todo o país antes que os casos aumentassem

Início antecipado: a maioria dos países latino-americanos adotou medidas em todo o país antes que os casos aumentassem (Divulgação/Bloomberg)

No Brasil, o Ministério da Saúde disse por e-mail no final da semana passada que o governo não poderia fornecer um número exato de quantos testes foram realizados, apenas que 54.000 dos kits RT-PCR, que são mais confiáveis, foram distribuídos. A distribuição é maior dos chamados testes rápidos que verificam anticorpos em vez do vírus e não são considerados tão precisos.

“Nossa capacidade de testar a população brasileira, de 210 milhões, está muito abaixo do necessário”, disse Eliana Bicudo, infectologista e consultora médica da Sociedade Brasileira de Infectologia.

No México, pelo menos 44 turistas americanos deram positivo após visitar Los Cabos, na Baja California, durante as férias de primavera. Mas a contagem oficial do estado na época era de apenas 18 casos.

Colômbia, Peru e Chile estão entre os países que lidam melhor com a crise. Carlos Enrique Trillos, epidemiologista e professor de medicina da Universidade do Rosário, em Bogotá, descreveu as informações divulgadas pelas autoridades como “rigorosas”.

(Com a colaboração de Julia Leite, Andrea Jaramillo, Nicolle Yapur, Jorgelina do Rosario, Patrick Gillespie, Eduardo Thomson, John Quigley, Samuel Dodge, Emma Court, Simone Iglesias e Patricia Laya).

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.