Brasil

COI critica organizadores por situação das contas da Rio-2016

Foi a 1ª vez em décadas que uma Olimpíada registrou déficit e, para os organizadores locais, a responsabilidade por cobrir os problemas é do Rio

Rio 2016: o COI não explicou se a crítica era direcionada ao Rio-2016, à prefeitura, ao governo federal ou a todos (Ricardo Moraes/Reuters)

Rio 2016: o COI não explicou se a crítica era direcionada ao Rio-2016, à prefeitura, ao governo federal ou a todos (Ricardo Moraes/Reuters)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 7 de julho de 2017 às 11h11.

Genebra - O Comitê Olímpico Internacional (COI) criticou abertamente os organizadores brasileiros pela falta de informações confiáveis sobre a situação das contas dos Jogos Olímpicos do Rio.

Pela primeira vez em décadas, uma Olimpíada registrou um déficit e, para os organizadores locais, a responsabilidade por cobrir os problemas financeiros é da prefeitura carioca.

Nos próximos dias, o presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB) e do Comitê Rio-2016, Carlos Arthur Nuzman, estará em Lausanne para debater com a cúpula do COI uma solução para o déficit.

Por meses, nem os cidadãos brasileiros e nem o COI ficaram sabendo exatamente quanto custou o evento e nem como o dinheiro foi exatamente gasto.

Ao final de 2016, os documentos oficiais do Rio-2016 indicaram que o déficit era de R$ 132 milhões. Mario Andrada, diretor de Comunicações dos Jogos, indicou no mês passado que o valor já foi reduzido para R$ 114 milhões. Os organizadores, segundo ele, conseguiram "dinheiro extra do COI", além de descontos com fornecedores.

No total, cerca de US$ 300 mil (aproximadamente R$ 990 mil) extras foram entregues pela entidade em Lausanne, além dos valores já combinados.

O problema é que, para fechar a conta, um volume de mais de R$ 100 milhões ainda teria de vir dos cofres públicos. Mas a Prefeitura do Rio não da qualquer sinal de que esteja inclinada a pagar o que o Rio-2016 diz que ela prometeu.

Do lado do COI, a entidade resiste em bancar o restante da conta, sob a alegação de que não sabe exatamente qual a real situação financeira do evento. "O COI continua preparado para oferecer sua ajuda e expertise", disse o COI, por meio de um comunicado enviado ao Estado.

"Mas, para fazer isso, precisamos de informação confiável e que possamos entender daqueles no comando, algo que lamentavelmente até o presente momento não temos", criticou a entidade.

O COI não explicou se a crítica era direcionada ao Rio-2016, à prefeitura, ao governo federal ou a todos. "Uma vez que tenhamos recebido um cenário claro, então poderemos trabalhar sobre como melhor oferecer nossa ajuda para ir adiante", completou a entidade.

O COI ainda apontou que o Rio-2016 está "no processo de fechar suas contas". Mas defende sua atuação em ajudar o Brasil a sediar o evento. "Até hoje, o COI e o movimento olímpico mais que cumpriram suas obrigações em referência ao Comitê Rio-2016", disse.

"Temos orgulho de termos contribuído significativamente para o sucesso dos Jogos no Rio, incluindo o compromisso de US$ 1,5 bilhão (R$ 4,9 bilhões) e um esforço enorme para encontrar formas de economizar e dar contribuições financeiras adicionais por parte dos acionistas do movimento olímpico", completou o COI.

Acompanhe tudo sobre:COIOlimpíada 2016PrefeiturasRio de Janeiro

Mais de Brasil

Câmara aprova a Lei Taylor Swift, que criminaliza cambismo digital

CCJ do Senado aprova projeto que prorroga por 10 anos as cotas para negros em concurso

Pacheco adia sessão sobre vetos, governo evita derrotas, e Lira demonstra insatisfação

Rio registra queda de 25% das mortes violentas no primeiro trimestre

Mais na Exame