Acompanhe:

Chanceler Ernesto Araújo afirma que nazismo "é de esquerda"

Segundo Araújo, regimes totalitários distorceram o sentimento de nacionalismo, o que, para ele, seria uma tática comparável à da esquerda

Modo escuro

Continua após a publicidade
Chanceler Ernesto Araújo afirmou que o nazismo e o fascismo são resultados de "fenômenos de esquerda" (Andre Coelho/Bloomberg)

Chanceler Ernesto Araújo afirmou que o nazismo e o fascismo são resultados de "fenômenos de esquerda" (Andre Coelho/Bloomberg)

E
Estadão Conteúdo

Publicado em 29 de março de 2019 às, 08h08.

São Paulo - Em declaração feita ao canal Brasil Paralelo, no YouTube, o chanceler Ernesto Araújo afirmou que o nazismo e o fascismo são resultados de "fenômenos de esquerda". Segundo Araújo, regimes totalitários distorceram o sentimento de nacionalismo, o que, para ele, seria uma tática comparável à da esquerda. A declaração gerou reação e foi rebatida por especialistas.

"Eles de certa forma sequestraram esse sentimento (do nacionalismo). É muito a tendência da esquerda: pega uma coisa boa, sequestra, perverte e transforma em coisa ruim. Isso tem a ver com o que eu digo que fascismo e nazismo são fenômenos de esquerda. É a mesma lógica", afirmou o chanceler na entrevista, dada na semana passada e que durou 33 minutos.

A declaração do chanceler repercutiu negativamente na principal emissora de TV pública da Alemanha, a Deustche Welle. Em texto publicado nesta quinta-feira, 28, na versão do seu site em português, a emissora afirma que as falas de Araújo vão contra o consenso acadêmico sobre o tema e ressalta que essa discussão é inexistente entre historiadores sérios do país.

"Há décadas não restam mais dúvidas, nos âmbitos acadêmico, social e político, sobre a natureza de extrema direita do nazismo", diz a reportagem.

O Brasil Paralelo produz conteúdos como séries na internet para assinantes do canal. Também promove cursos e palestras. Entre os palestrantes, está o escritor Olavo de Carvalho, considerado guru do bolsonarismo.

Historiador

Para o jornalista do jornal O Estado de S. Paulo e historiador Marcos Guterman, o nazismo não pode ser qualificado como de esquerda em nenhuma circunstância. Em geral, quem usa esse discurso se vale do nome da legenda nazista: Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães. Há grupos na internet que costumam reproduzir essa ideia.

"Mas é outro contexto. Não tem nada a ver com o socialismo marxista. Tem a ver com o sentido da totalidade da sociedade alemã", afirmou ele.

Para Guterman, se trataria de uma argumentação insustentável cujo único objetivo seria o de mobilizar a militância. "Ele está respondendo a um pensamento do eleitor." Em entrevista à Deustche Welle no ano passado, o embaixador da Alemanha no Brasil, Georg Witschel, chegou a afirmar que essa discussão "não tinha base honesta".

O professor alemão Oliver Stuenkel, da área de relações internacionais da FGV-SP, diz que a afirmação faria parte do "submundo das conspirações". Para Stuenkel, a fala de Araújo traz constrangimento, mas há o entendimento de que ela não representa a totalidade do governo.

Procurada na noite desta quinta-feira pela reportagem, a assessoria do ministro não havia se pronunciado até a conclusão desta matéria.

"Distorções"

"Vivemos um momento preocupante de distorções de fatos históricos consagrados, que mostram que o nazismo era um regime de extrema direita. Há desprezo pelo contexto histórico; um esquecimento voluntário, além de manipulação", disse a historiadora da USP Maria Luiza Tucci Carneiro.

"O que importa aqui não é fazer história, mas fazer política no presente, desconsiderando o passado e os fatos. Os nazistas apontavam os comunistas como 'inimigos objetivos'. Uma das primeiras medidas de Hitler no poder foi pôr na ilegalidade o Partido Comunista. Começa, então, uma fuga de intelectuais e cientistas. O passado deve ser revisitado, não deturpado", concluiu.

Últimas Notícias

Ver mais
Brasil vê com 'grave preocupação' ataque do Irã a Israel e pede que países evitem escalada
Brasil

Brasil vê com 'grave preocupação' ataque do Irã a Israel e pede que países evitem escalada

Há uma semana

Ingleses criaram até pornô para derrotar nazistas na guerra da desinformação, diz livro
Mundo

Ingleses criaram até pornô para derrotar nazistas na guerra da desinformação, diz livro

Há 4 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais