Brasil

CGU vai averiguar uso de programa secreto da Abin; entenda o que é

Órgão analisará se servidores estão envolvidos em denúncia de espionagem de cidadãos durante o governo de Bolsonaro

General Augusto Heleno: Abin ficava subordinado ao Gabinete de Segurança Institucional (GSI), comandado pelo general (Marcos Corrêa/PR/Flickr)

General Augusto Heleno: Abin ficava subordinado ao Gabinete de Segurança Institucional (GSI), comandado pelo general (Marcos Corrêa/PR/Flickr)

Publicado em 14 de março de 2023 às 10h41.

A Controladoria Geral da União (CGU) vai averiguar o uso de um sistema de monitoramento da localização de cidadãos em todo o território nacional pela Agência Nacional de Inteligência (Abin) durante o governo de Jair Bolsonaro.

A prática suscitou questionamentos entre os próprios integrantes do órgão, pois a agência não possui autorização legal para acessar dados privados. O caso motivou a abertura de investigação interna e, para especialistas, a vigilância pode ainda violar o direito à privacidade.

A CGU tem a função de acompanhar a execução de ações disciplinares que visem a apuração de responsabilidade administrativa de servidores públicos. O órgão, comandado pelo ministro Vinicius de Carvalho, vai avaliar como pode atuar no caso para apurar a responsabilidade de servidores.

O que é o programa secreto da Abin?

O GLOBO revelou nesta terça-feira, 13, que nos três primeiros anos do governo Bolsonaro a Abin operou um sistema secreto de monitoramento. A ferramenta, chamada “FirstMile”, ofereceu à agência de inteligência a possibilidade de identificar a “localização da área aproximada de aparelhos que utilizam as redes 2G, 3G e 4G”.

Como funciona

Desenvolvido pela empresa israelense Cognyte (ex-Verint), o programa FirstMile permitia rastrear o paradeiro de uma pessoa a partir de dados transferidos do celular para torres de telecomunicações instaladas em diferentes regiões.

Com base no fluxo dessas informações, o sistema oferecia a possibilidade de acessar o histórico de deslocamentos e até criar “alertas em tempo real” de movimentações de um alvo em diferentes endereços.

Compra em 2018

A agência comprou o software por R$ 5,7 milhões, com dispensa de licitação, no fim de 2018, ainda na gestão de Michel Temer. A ferramenta foi utilizada ao longo do governo Bolsonaro até meados de 2021.

Procurada, a Abin disse que o sigilo contratual a impede de comentar.

No governo Bolsonaro, a Abin ficava subordinado ao Gabinete de Segurança Institucional (GSI), comandado pelo general Augusto Heleno.

(Com O Globo)

Acompanhe tudo sobre:Governo Bolsonaro

Mais de Brasil

Tarcísio assina contrato para extensão da Linha 4-Amarela; veja quais serão as novas estações

Lula anuncia R$ 5 bi de investimentos do PAC em universidades para conter greve de professores

Eleitor exige governança contra crise climática, diz CEO da ComunitasBR

Congresso prorroga por 60 dias vigência de MP do setor elétrico

Mais na Exame