Brasil

Cassação de Chiquinho Brazão será relatada por deputado do PT

Deputado é apontado pela Polícia Federal (PF) como um dos mandantes da execução da vereadora Marielle Franco, em 2018

Crime: deputado Chiquinho Brazão (sem partido-RJ) é acusado de ser um dos mandantes no caso Marielle Franco (Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados/Flickr)

Crime: deputado Chiquinho Brazão (sem partido-RJ) é acusado de ser um dos mandantes no caso Marielle Franco (Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados/Flickr)

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 25 de abril de 2024 às 07h10.

O processo disciplinar que pode levar à cassação do mandato de Chiquinho Brazão (sem partido-RJ), apontado pela Polícia Federal (PF) como um dos mandantes da execução da vereadora Marielle Franco, em 2018, será relatado por um deputado do PT.

O Conselho de Ética da Câmara sorteou nesta quarta-feira, 24, um novo nome para a lista tríplice de possíveis relatores, após a desistência de Rosângela Reis (PL-MG), a quarta parlamentar a declinar da possibilidade de relatar o processo.

O nome escolhido foi o do deputado Jorge Solla (PT-BA), que se junta a outros dois petistas na lista tríplice: Jack Rocha (PT-ES) e Joseildo Ramos (PT-BA). Agora, a designação do relator caberá a Leur Lomanto Júnior (União Brasil-BA), presidente do Conselho de Ética, o que deve ocorrer na próxima sessão.

Nesta quarta, Chiquinho Brazão participou da sessão do Conselho de Ética por meio de videoconferência. "Vou me resumir a dizer para vocês que sou inocente e provarei a minha inocência", disse Brazão. O deputado, preso preventivamente desde 24 de março, afirmou que cobrará "retratação" dos parlamentares que lhe imputaram conduta criminosa.

Segundo o Regimento Interno da Câmara, há um prazo de 60 dias úteis para que o Conselho de Ética analise uma representação contra um deputado da Casa. Se o relator optar pela cassação do parlamentar, a decisão deve ser avaliada pelo plenário e o prazo é estendido para até 90 dias úteis.

Os prazos, entretanto, são contabilizados a partir do momento em que é escolhido o relator. No caso da representação contra Chiquinho Brazão, de autoria do PSOL, ainda falta essa definição. Desde 10 de abril, quatro deputados desistiram de integrar a lista tríplice de possíveis relatores, atrasando a tramitação do processo. Além de Rosângela Reis, a última a declinar a possibilidade de relatar o caso, houve recusas de Bruno Ganem (Podemos-SP), Ricardo Ayres (Republicanos-TO) e Gabriel Mota (Republicanos-RR).

Após ser nomeado pelo presidente do Conselho de Ética, o relator da representação tem dez dias úteis para produzir um parecer sobre o arquivamento ou a continuidade do processo disciplinar.

Optando pelo prosseguimento do caso, o representado é notificado e poderá se defender. Após a defesa e a coleta de provas, é produzido novo parecer, no qual o relator pede ou a absolvição ou uma sanção disciplinar ao alvo da ação.

Essa sanção pode variar em gravidade, indo desde uma moção de censura à perda do mandato. Em caso de suspensão ou perda do mandato, a decisão precisa ser referendada pelo plenário da Casa e obter ao menos 257 votos.

Acompanhe tudo sobre:Marielle Franco

Mais de Brasil

Pesquisa encontra agrotóxicos em alimentos ultraprocessados com apelo ao público infantil

STF cria marco civilizatório ao proibir exposição de vida sexual de vítima, dizem advogados

Seguradoras irão pagar, no mínimo, R$ 1,6 bilhão em indenizações no Rio Grande do Sul

Governo libera verba extra de R$ 22 milhões para as universidades do RS

Mais na Exame