Brasil

Captura evidencia 'modelo correto' de atuação das forças de segurança do Estado, diz Sarrubbo

Secretário diz que há um esforço conjunto de todos os entes federativos, incluindo os estados, para o combate às facções e ao crime organizado

Fugitivos de Mossoró: secretário destacou mais de uma vez a importância da atuação de todo o Estado brasileiro no combate ao crime organizado

Fugitivos de Mossoró: secretário destacou mais de uma vez a importância da atuação de todo o Estado brasileiro no combate ao crime organizado

Estadão Conteúdo
Estadão Conteúdo

Agência de notícias

Publicado em 5 de abril de 2024 às 10h51.

Última atualização em 5 de abril de 2024 às 10h56.

O secretário nacional de Segurança Pública, Mário Sarrubbo, disse que a prisão dos dois fugitivos de Mossoró mostra que o combate ao crime organizado está no caminho certo, evidenciando um "modelo correto" de atuação integrada entre todas as forças de segurança do Estado.

"Foi um trabalho conjunto de estratégia e foi uma operação de sucesso", disse em entrevista concedida nesta sexta-feira, 5, à Globonews, destacando que eles não pretendiam levar 50 dias para a captura, mas o importante é que tudo deu certo, e agora seguir em frente com novas medidas.

Na entrevista, o secretário disse que há um esforço conjunto de todos os entes federativos, incluindo os estados, para o combate às facções e ao crime organizado. Ele disse que os fugitivos tiveram auxílio de facção. "Agora é olharmos para a frente e corrigir o que estava errado, quando assumimos."

Lavagem de dinheiro

Sarrubbo disse que os consórcios de governadores estão enviando propostas para o combate ao crime e que o Congresso Nacional é o palco mais adequado para essas discussões. "Os ajustes são necessários, incluindo aspectos legislativos", emendou. "Facção criminosa é uma empresa que busca o lucro, por isso estamos atentos à lavagem de dinheiro", ressaltou.

O secretário destacou mais de uma vez a importância da atuação de todo o Estado brasileiro no combate ao crime organizado. Ele disse que esse combate deve ser pensado de forma integrada, envolvendo Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, as polícias estaduais — Militar, Civil — além de Receita Federal e Coaf. Sarrubo defende a participação do Ministério Público no debate.

Nesta quinta, 4, os dois foragidos de Mossoró foram presos, 51 dias depois de terem escapado da penitenciária. Deibson Cabral e Rogério Mendonça, ligados ao Comando Vermelho, formaram o que o ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, chamou de "comboio do crime" para tentar sair do país. Eles usaram até um barco para se deslocar do Ceará para o Pará, onde foram capturados.

Nesta sexta, o Ministério da Justiça formalizou a dispensa de Humberto Gleydson Fontinele Alencar da função de diretor da Penitenciária Federal de Mossoró (RN). A destituição do diretor tem efeito desde 14 de fevereiro, quando ele já havia sido afastado logo depois da fuga dos dois detentos. O governo viu falhas no sistema e gestão do presídio que favoreceram a fuga.

Acompanhe tudo sobre:Segurança públicaRio Grande do NortePrisõesMinistério da Justiça e Segurança Pública

Mais de Brasil

Base aérea de Canoas começa a receber voos comerciais nesta segunda

Governo libera 7,2 bilhões para comprar arroz importado

Guitarrista da banda Afrocidade morre após ser espancado na Bahia

Como irá funcionar o sistema de câmeras usadas por PMs; governo Tarcísio detalha

Mais na Exame