Acompanhe:

Campanhas usam holografia para chamar atenção nas ruas

Foi pensando em atrair o olhar do eleitor que os publicitários Gabriel Cecilio e Leandro Nunes decidiram trazer a holografia para a campanha

Modo escuro

Continua após a publicidade
Mochilas mostram o candidato Penna em versão holográfica (Thiago Massolla/Divulgação)

Mochilas mostram o candidato Penna em versão holográfica (Thiago Massolla/Divulgação)

I
Isabel Seta, de EXAME

Publicado em 16 de setembro de 2018 às, 08h00.

Última atualização em 16 de setembro de 2018 às, 12h07.

São Paulo - No "vale tudo" das eleições 2018, marqueteiros e estrategistas de campanha se desdobram para chamar a atenção dos eleitores em meio a um mar de candidatos, principalmente para o Legislativo.

Em relação ao pleito de 2014, o número de postulantes a uma vaga para a Câmara dos Deputados cresceu 19,5%, chegando a 8.532, ou 16,63 candidatos por vaga, segundo o Tribunal Superior Eleitoral.

Foi pensando em atrair o olhar do eleitor – e depois de outros clientes – que os publicitários Gabriel Cecilio e Leandro Nunes decidiram trazer a holografia para a campanha no Brasil e fundaram, no início do ano, a empresa Holo Ahead.

Em viagens pelo exterior, a dupla viu como a holografia, capaz de criar imagens tridimensionais em tamanho real, chamou a atenção de eleitores em lugares como a Índia e a França. Mas, por conta do alto custo da tecnologia, descartaram trazê-la para o Brasil.

Em vez disso, desenvolveram uma solução adaptada à legislação brasileira, que não permite peças visuais de comunicação maiores que 50 cm, e criaram uma espécie de redoma holográfica que fica acoplada a uma mochila e pode ser transportada para vários lugares.

"Vimos uma oportunidade. Como o ambiente online é totalmente pulverizado e existe dificuldade de debater com o eleitor, nós enxergamos que essa tecnologia pode ser usada para chamar atenção e gerar o debate nas ruas", afirmou Cecilio em entrevista a EXAME.

Como funciona

A redoma abriga uma lâmina com uma fita de LED de última geração, descoberto por Cecilio na China. Por meio de um aplicativo, a campanha pode enviar ao equipamento as imagens ou vídeos que querem que sejam "projetadas". Quando a lâmina gira no próprio eixo, cria a holografia.

"Não há uma projeção da imagem. O olho humano projeta aquela imagem dentro da redoma por conta da velocidade de rotação", explica ele.

A tecnologia foi exibida nas convenções partidárias de partidos como PSDB, MDB e PT e foi muito bem recebida, segundo o empresário.

Ele não revela o faturamento da empresa, nem quantos e quais contratos foram fechados, mas afirma que não totalizam dez campanhas e que nenhum candidato a presidente contratou o serviço.

Segundo Cecilio, de 250 mochilas com a esfera disponíveis, 120 foram contratadas, mas nem todas já estão nas ruas.

"Alguns querem usar na reta final da campanha", disse. A empresa trabalha com pacotes diários de 400 a 500 reais.

Uma das campanhas que optou pelo uso da tecnologia foi a do candidato a deputado federal por São Paulo e presidente do Partido Verde, José Luiz Penna.

Segundo Gerson Faria, assessor de Penna e membro da campanha, o produto chamou a atenção nas saídas que fizeram.

"Funciona como um indutor. Por ser uma novidade, as pessoas se interessam e se aproximam, o que facilita a comunicação e a abordagem com possíveis eleitores", afirmou Faria.

Na semana passada, a presidenciável Marina Silva, cujo partido, a Rede, está coligado com o PV nacionalmente, postou um vídeo no Instagram sendo apresentada à mochila. Mas nada de concreto foi fechado ainda, segundo a empresa.

Para Faria, o produto funciona por ser novidadeiro e chamar atenção. "Se espalhar demais, aí perde o efeito".

Lá fora

No exterior, a holografia em tamanho real foi bastante utilizada pela campanha do hoje primeiro-ministro indiano, Narendra Modi.

Em 2014, ainda candidato, Modi discursou como um holograma diversas vezes para seus eleitores em mais de um lugar ao mesmo tempo. A tecnologia permitiu que ele se replicasse na corrida para atingir o maior número possível de eleitores nas seis semanas de campanha.

Na França, em 2017, o candidato de extrema-esquerda à presidente Jean-Luc Mélenchon também usou seu próprio holograma para discursar simultaneamente em sete cidades.

"Esse tipo de solução ainda não temos para o mercado brasileiro, porque é muito caro e pela própria legislação", disse Cecilio.

Em junho deste ano, o PT chegou a considerar usar a holografia para representar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba desde abril, no ato de lançamento de sua candidatura, em Minas Gerais.

Últimas Notícias

Ver mais
Partido de oposição na Índia recupera acesso a contas bancárias congeladas após discrepância fiscal
Mundo

Partido de oposição na Índia recupera acesso a contas bancárias congeladas após discrepância fiscal

Há uma semana

Primeiro-ministro da Índia pede que G20 crie regulação global para criptomoedas
Future of Money

Primeiro-ministro da Índia pede que G20 crie regulação global para criptomoedas

Há 6 meses

Partidos vão ao STF contra limite de recursos da Ciência e Tecnologia
Brasil

Partidos vão ao STF contra limite de recursos da Ciência e Tecnologia

Há um ano

TSE nega pedido das Forças Armadas para acessar documentos de eleições passadas
Brasil

TSE nega pedido das Forças Armadas para acessar documentos de eleições passadas

Há um ano

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais