Brasil

Brasileiros vão às urnas na eleição das reviravoltas

A eleição mais disputada deste 1989 é marcada por duas grandes reviravoltas


	143 milhões de brasileiros poderão votar neste domingo
 (Montagem/EXAME.com)

143 milhões de brasileiros poderão votar neste domingo (Montagem/EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 5 de outubro de 2014 às 08h16.

São Paulo - Quase 143 milhões de brasileiros poderão votar neste domingo para escolher o próximo presidente da República na eleição mais disputada desde 1989, marcada por duas grandes reviravoltas, em um cenário não totalmente definido sobre quem passará para o segundo turno.

A primeira das reviravoltas ocorreu em meados de agosto com a trágica morte de Eduardo Campos, então candidato do PSB à Presidência, e a entrada como um furacão de Marina Silva em seu lugar.

Em poucos dias, a ex-senadora e ambientalista encostou na líder das intenções de voto para o primeiro turno, a presidente Dilma Rousseff (PT), e jogou para um distante terceiro lugar aquele que se aproximava cada vez mais da condição de favorito na disputa, Aécio Neves (PSDB).

A segunda grande virada desta campanha, que precisa ser confirmada pelas urnas, é a volta de Aécio ao segundo lugar, ultrapassando Marina na reta final na briga por uma vaga na segunda rodada de votação contra Dilma.

Pesquisas Datafolha e Ibope divulgadas no sábado mostraram o tucano e a candidata do PSB em empate técnico. Pela primeira vez desde que ela entrou na disputa, porém, a vantagem numérica é do senador mineiro, confirmando as trajetórias de alta nas intenções de voto para ele e de queda para ela.

Ataques 

A entrada de Marina praticamente virou de ponta-cabeça a corrida presidencial. Aécio e Dilma, que viam um ao outro como o principal adversário e alvo único dos ataques na propaganda eleitoral, tiveram que realinhar a mira de seus canhões.

Como Marina chegou a abrir vantagem de 20 pontos percentuais sobre o tucano nas intenções de voto para o primeiro turno e de 10 pontos sobre a presidente em simulação de segundo turno, Dilma e Aécio tiveram que centrar fogo nela.

A campanha de Dilma procurou mostrar os supostos efeitos negativos de propostas de Marina, como a independência formal do Banco Central, em peças de propaganda que beiravam o terror.

Além disso, os petistas chegaram a comparar a falta de apoio político da candidata do PSB ao que teria levado os ex-presidentes Jânio Quadros e Fernando Collor de Mello a não terminarem seus mandatos.

A propaganda tucana, por sua vez, explorou o sentimento antipetista de parcela do eleitorado. Para isso, lembrou exaustivamente das mais de duas décadas de Marina no PT, além de citar a falta de experiência e contradições entre posições atuais e anteriores da candidata do PSB.

Com menos de um quinto do tempo de TV de Dilma e menos da metade de Aécio, Marina optou inicialmente por ignorar os ataques e se concentrar em propostas. Mas isso também deu margem para críticas e ataques.

Enquanto o tucano apresentou seu programa de governo, de forma fatiada, apenas na última semana da campanha e a presidente preferiu mostrar suas propostas apenas na propaganda eleitoral, Marina lançou o seu num grande evento no fim de agosto, pouco depois de ser confirmada candidata.

No dia seguinte à divulgação, a campanha do PSB anunciou uma mudança na parte referente à comunidade LGBT e Marina disse que houvera uma erro de editoração. Os adversários não perderam a oportunidade para acusá-la de não ser capaz de sustentar posições. Outros pontos do texto foram alvo nas semanas seguintes.

Os ataques, no entanto, não se concentraram só em Marina. A presidente que tenta a reeleição sofreu pesado bombardeio, especialmente no tema corrupção, que foi fartamente alimentado pelo vazamento de denúncias de um ex-diretor da Petrobras sobre um suposto esquema de propinas a políticos e partidos governistas envolvendo contratos da estatal.

Dilma também foi alvejada pelos opositores pela fraqueza da economia, que no primeiro semestre entrou em recessão técnica, e a inflação, que durante todo o atual governo ficou sempre no incômodo patamar dos 6 por cento ao ano ou mais, ameaçando romper o teto da meta, que é de 4,5 por cento com margem de tolerância de 2 pontos percentuais.

Aécio acabou escapando de ser alvo de ataques na propaganda da TV, porque passou a maior parte do tempo na condição de terceiro colocado.

Frases de efeito

Mas a campanha não foi feita só de ataques. Os candidatos apresentaram inúmeras propostas até o final, como Marina, que lançou no último debate de TV a proposta de um décimo terceiro para os beneficiários do Bolsa Família.

Dilma falou em ampliar o programa Mais Médicos com o Mais Especialidades e prometeu que não mexerá nos direitos trabalhistas "nem que a vaca tussa".

Aécio, por sua vez, repetiu inúmeras vezes a palavra previsibilidade, geralmente de forma bem pausada, quando tratava dos temas econômicos. E Marina prometeu que, se eleita, vai governar com os bons e com os melhores de todos os partidos.

Como a eleição não deve ser definida neste domingo, haverá mais três semanas de promessas, propostas e ataques para que o Brasil conheça seu próximo presidente.

Acompanhe tudo sobre:aecio-nevesCelebridadesDilma RousseffEduardo CamposEleiçõesEleições 2014GovernadoresMarina SilvaPersonalidadesPolítica no BrasilPolíticosPolíticos brasileirosPT – Partido dos Trabalhadores

Mais de Brasil

Tarcísio estima economia de R$ 1,7 bi por ano com auditoria de aposentadorias e prova de vida

Às vésperas de posse na Petrobras, Magda Chambriard já dá expediente na companhia

PF pede inquérito contra Chiquinho Brazão por suspeita de desvio de emendas parlamentares

Claudio Castro é absolvido após TRE-RJ formar maioria contra cassação

Mais na Exame