Acompanhe:

Mandetta estima que casos de coronavírus vão subir até junho

Ministério da Saúde atualizou para 290 os casos de pacientes com coronavírus no país; São Paulo registrou primeira morte

Modo escuro

Continua após a publicidade
 (Amanda Perobelli/Reuters)

(Amanda Perobelli/Reuters)

G
Gilson Garrett Jr.

Publicado em 17 de março de 2020 às, 16h12.

Última atualização em 22 de março de 2020 às, 20h39.

Subiu para 290 o número de infectados pelo coronavírus (Covid-19) no Brasil, de acordo com balanço divulgado pelo Ministério da Saúde na tarde desta terça-feira, 17. Na segunda-feira 16 eram 234 casos confirmados.

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, estima que os números vão aumentar exponencialmente até o fim de junho. "Estamos imaginando que vamos trabalhar com espirais ascendentes entre abril, maio e junho. Passaremos de 60 a 90 dias de muito estresse e teremos sobrecarga", diz Mandetta.

Segundo as estimativas, em julho os casos deverão entrar em recessão e em agosto e setembro o cenário deverá estar voltando a patamares menores. "Desde que a gente construa a chamada imunidade em mais de 50% das pessoas", disse.

Mandetta ainda alertou para que as famílias cuidem principalmente dos idosos. "Quanto menos idosos tivermos com o coronavírus, menos pressão colocaremos nos leitos de CTI (Centro de Terapia Intensiva)", afirmou.

O que chama a atenção nessa divulgação é que o número de suspeitos quadruplicou em um dia: foi de 2.000 para 8.819. Segundo a pasta, o aumento repentino foi causado por uma atualização de sistema. Anteriormente, os estados estavam com dificuldade de informar ao órgão federal os pacientes investigados.

A apresentação de hoje ainda não traz a primeira morte causada pela doença, que foi registrada no estado de São Paulo e confirmada pela Secretaria de Saúde. Existem outros quatro óbitos do mesmo hospital que ainda estão sendo investigados.

Os dados do Ministério da Saúde são atualizados até as 13 horas e divulgados por volta das 16 horas, por isso ainda não aparece essa morte.

São Paulo é o estado que registra o maior número de casos, com 164. Por causa disso, nesta terça começaram a valer diversas ações de isolamento determinadas pelo governador João Doria (PSDB). Entre elas estão a suspensão das aulas na rede pública de ensino e o fechamento de bibliotecas, museus e centros culturais por até 30 dias.

O Rio de Janeiro decretou estado de emergência na saúde para frear o aumento do número de casos, que chegou a 33. Entre as medidas adotadas está a suspensão por 15 dias de eventos e atividades com a presença de público.

Pela primeira vez, o Ceará aparece na lista com cinco casos confirmados de Covid-19. No Nordeste ainda há infectados em Pernambuco (16), Sergipe (4), Bahia (3), Alagoas (1) e Rio Grande do Norte. Agora, todas as regiões têm infectados pelo coronavírus.

Últimas Notícias

Ver mais
Governo vai enviar vacinas contra dengue para mais 29 municípios
Brasil

Governo vai enviar vacinas contra dengue para mais 29 municípios

Há 2 dias

Zema reitera no STF que não vai exigir vacinação completa de estudantes na rede estadual
Brasil

Zema reitera no STF que não vai exigir vacinação completa de estudantes na rede estadual

Há uma semana

Fazenda trabalha com 'PIB potencial' entre 2% e 2,5%, diz secretário de Política Econômica
Economia

Fazenda trabalha com 'PIB potencial' entre 2% e 2,5%, diz secretário de Política Econômica

Há uma semana

Dengue: crianças devem usar repelente específico contra a doença; veja quais
Brasil

Dengue: crianças devem usar repelente específico contra a doença; veja quais

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais