A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Brasil e Estados Unidos assinam acordo de cooperação militar

A parceria entre os países pode dar ao Brasil o acesso a um fundo de desenvolvimento avaliado em 100 bilhões de dólares

São Paulo – O governo de Jair Bolsonaro assinou neste domingo (08) um acordo militar bilateral com os Estados Unidos, o Acordo para Projetos de Pesquisa, Desenvolvimento, Teste e Avaliação (RDT&E, na sigla em inglês).

A assinatura aconteceu no quartel-general do Comando Sul dos Estados Unidos, localizado em Doral, nas proximidades da cidade de Miami (Flórida, Estados Unidos).

"Foi uma honra receber o presidente Bolsonaro e essa delegação do Brasil em nosso quartel-general, e conversar com ele sobre aumentar ainda mais os laços de defesa entre nossos países", disse o almirante americano, Craig Feller. "O Brasil é um dos nossos parceiros democráticos mais fortes no hemisfério. Valorizamos essa longa parceria com as forças armadas do Brasil e esperamos dar novos passos para expandir a cooperação militar", continuou.

Esta é a primeira vez que um presidente brasileiro visita esse comando, que é o responsável por operações militares e de segurança para a América Central, América do Sul e Caribe. Veja o momento da chegada de Bolsonaro ao local:

Acordo bilateral

A parceria pode dar acesso ao Brasil a um fundo de desenvolvimento de tecnologia para defesa que chega 100 bilhões de dólares. Pode, ainda, ajudar o Brasil a capacitar sua indústria e abrir o mercado norte-americano para a indústria nacional da área militar.

O pacto prevê a possibilidade de parceria em projetos para tecnologias de defesa, que podem levar a produtos com patentes a serem divididas entre os dois países e exploradas pelas empresas desenvolvedoras.

O financiamento será público e terá que ser dividido entre os dois países, mas o desenvolvimento das pesquisas será feito por empresas privadas. Empresas brasileiras e americanas poderão se associar para desenvolver tecnologias e se candidatar ao financiamento pelo fundo.

O acordo não prevê um valor obrigatório de financiamento e os custos serão divididos entre os dois países, em que pese a diferença nos tamanhos das economias e dos orçamentos das duas nações.

No entanto, na questão tecnológica, o aporte de tecnologia inicial não precisará ser equitativo, o que, segundo o governo brasileiro poderá trazer mais capacitação para a indústria nacional de defesa, que tem hoje 220 empresas, entre elas Embraer, Taurus e Companhia Brasileira de Cartuchos, mas são em sua maioria de médio ou pequeno porte.

O Brasil exporta produtos de defesa hoje para 85 países, com vendas de 1,23 bilhão de dólares em 2019.

A meta do governo, no entanto, é abrir mais mercados, especialmente o americano, maior do mundo, e o dos 28 países membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) --do qual o Brasil se tornou aliado extra-bloco no ano passado por incentivo dos americanos.

Quase todos esses países têm acesso ao fundo americano de defesa.

"Quero ressaltar que o acordo que assinamos hoje vem a somar com o que aconteceu em 2019, quando depois de 20 anos tivemos a aprovação do acordo de salvaguardas tecnológicas (para uso da base de Alcântara). Em seguida fomos reconhecidos como aliados extra-Otan. Esse é mais um acordo inédito", disse o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva.

O pacto está sendo tratado como ponto alto da viagem do presidente Jair Bolsonaro a Miami, esta semana. Apesar de a negociação ter começado na verdade em 2017, ainda no governo de Michel Temer, tomou mais fôlego no ano passado, quando Bolsonaro --que tem interesse especial na área e abriu uma política de alinhamento com os Estados Unidos-- assumiu o governo.

Conflito

Apesar do acordo inédito, os leilões de tecnologia 5G, marcados para outubro no Brasil, mas que possivelmente serão adiados, podem atrapalhar um avanço maior, de acordo com um funcionário de alto escalão da Casa Branca.

Em um briefing no sábado pela manhã, a fonte, que falou em condição de anonimato pela sensibilidade dos temas, alertou que a abertura do Brasil aos chineses da Huawei --uma das únicas empresas com tecnologia 5G do mundo-- pode ser um impedimento ao que chamou de uma "cooperação forte" na área de defesa e inteligência entre os dois países.

"Nós acreditamos fortemente, e olhe, claramente, que para ter uma cooperação forte de defesa e inteligência com o Brasil, você sabe, ter os chineses penetrando a rede de 5G, particularmente pela Huawei, iria se tornar um enorme impedimento. Esse é apenas um fato, um fato lamentável. Isso está por exemplo afetando nossa relação com o Reino Unido", disse o assessor de Trump.

Até agora, o governo brasileiro não impôs nenhuma restrição a entrada da Huawei, uma das únicas empresas com tecnologia 5G, no Brasil. Até pelo interesse das empresas que operam no Brasil em adotar a tecnologia chinesa.

No entanto, o leilão, inicialmente programado para março, foi adiado para outubro e há indicações não confirmadas de que deve ficar para 2021.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também