Acompanhe:

Bolsonaro lamenta imagem de "racista e ditador" que tem no exterior

No café do manhã com alguns veículos de comunicação, presidente deu a entender que caberia aos diplomatas brasileiros reverter a situação

Modo escuro

Continua após a publicidade
Jair Bolsonaro: presidente diz que vai trocar embaixador em Washington e outros 15 chefes de representações diplomáticas (Ueslei Marcelino/Reuters)

Jair Bolsonaro: presidente diz que vai trocar embaixador em Washington e outros 15 chefes de representações diplomáticas (Ueslei Marcelino/Reuters)

R
Reuters

Publicado em 13 de março de 2019 às, 20h39.

Última atualização em 14 de março de 2019 às, 09h41.

Brasília — O presidente Jair Bolsonaro afirmou que irá trocar pelo menos 15 embaixadores brasileiros no exterior, entre eles o embaixador brasileiro em Washington, Sérgio Amaral, que não estaria "vendendo uma boa imagem do Brasil no exterior", de acordo com informações publicadas por jornalistas que participaram na manhã desta quarta-feira de um café com o presidente.

Amaral, embaixador aposentado e um especialista em comércio exterior, deixou a presidência da Câmara de Comércio Brasil-China para assumir a embaixada em Washington no governo de Michel Temer e foi o responsável por preparar a visita de Bolsonaro aos Estados Unidos, na próxima semana.

O presidente chega a Washington para uma visita de três dias no próximo domingo.

No café do manhã com alguns veículos, entre eles o jornal Folha de S. Paulo, a TV Globo e o site Poder360, Bolsonaro disse que não iria dar o "bilhete azul" — sinônimo de demissão — para o embaixador neste momento porque seria muito ruim fazê-lo na véspera da viagem para os Estados Unidos.

O presidente reclamou que tem no exterior uma imagem ruim e é sempre apresentado nos meios de comunicação do exterior como"racista, homofóbico e ditador", e deu a entender que caberia aos diplomatas brasileiros reverter isso.

Dois nomes têm surgido para ocupar a embaixada em Washington: o do diplomata Nestor Forster, amigo do chanceler Ernesto Araújo, que já serve na embaixada, e o do consultor Murilo Aragão, fundador da Arko Advice. Bolsonaro, no entanto, se negou a confirmar que os dois estariam na disputa.

De acordo com uma fonte, também deverão ser trocados os embaixadores em postos-chave para o Brasil, como Buenos Aires, Londres e a Organização das Nações Unidas (ONU), e será dado espaço para embaixadores do chamado quadro especial --os mais experientes-- e que ocupavam cargos de subsecretários, por exemplo.

Ao assumir o Itamaraty, Ernesto Araújo trocou os chefes dos principais secretarias do ministério. No entanto, boa parte dos desalojados não foram ainda designados para novos cargos.

 

Últimas Notícias

Ver mais
Lula deve ter ao menos 2 reuniões bilaterais em viagem à Guiana, diz Itamaraty
Brasil

Lula deve ter ao menos 2 reuniões bilaterais em viagem à Guiana, diz Itamaraty

Há 4 horas

Aneel mantém bandeira tarifária verde em março, sem adicional nas contas de luz
Brasil

Aneel mantém bandeira tarifária verde em março, sem adicional nas contas de luz

Há 4 horas

BNDES aprova R$ 88,5 milhões para expansão da internet de banda larga na PB e no RN
Brasil

BNDES aprova R$ 88,5 milhões para expansão da internet de banda larga na PB e no RN

Há 4 horas

Juiz manda submeter esfaqueador de Bolsonaro a tratamento psiquiátrico
Brasil

Juiz manda submeter esfaqueador de Bolsonaro a tratamento psiquiátrico

Há 5 horas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais