Brasil

As cidades com a saúde mais desenvolvida do Brasil — RS e PR lideram

Todos os 17 primeiros colocados no ranking são de um desses dois estados

Museu do pão em Ilópolis, no Rio Grande do Sul: cidade lidera ranking de saúde da Firjan (Gustavo.kunst/Wikimedia Commons)

Museu do pão em Ilópolis, no Rio Grande do Sul: cidade lidera ranking de saúde da Firjan (Gustavo.kunst/Wikimedia Commons)

Luiza Calegari

Luiza Calegari

Publicado em 7 de julho de 2018 às 06h30.

Última atualização em 7 de julho de 2018 às 06h30.

São Paulo – Quase metade dos 5.565 municípios brasileiros registrou um nível alto de desenvolvimento em saúde em 2016, segundo o IFDM (Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal), elaborado pela Federação das Indústrias do Rio de Janeiro.

Mesmo entre esses bons índices, dois estados se destacam: os 17 primeiros lugares da lista são todos de cidades no interior do Rio Grande do Sul e do Paraná.

Indo mais longe, dos 50 municípios com melhor índice de saúde, 39 estão na região Sul – e 30 deles só no Rio Grande do Sul [veja a tabela no final do texto].

Mas o que estas cidades fizeram para receber uma pontuação tão alta? A Firjan analisou quatro critérios: proporção de atendimento adequado de pré-natal; óbitos por causas mal definidas (quanto menor a proporção, melhor); óbitos infantis por causas inevitáveis; e internações sensíveis à atenção básica.

A leitura dos resultados é feita considerando-se 0 a menor pontuação possível, e 1 a maior. Quanto mais próximo de 1 o índice, portanto, maior o desenvolvimento da cidade naquele quesito.

Pontuações acima de 0,8 levam a um índice considerado alto; entre 0,6 e 0,8, o desenvolvimento é considerado moderado; de 0,4 a 0,6, a avaliação é regular; e abaixo de 0,4 o estágio de desenvolvimento é baixo.

Situação nacional

A variável de saúde do ranking foi a que mais apresentou cidades com alto desenvolvimento: 2.698 (entre 5.565). Além disso, foi a que teve menor volume de cidades com desenvolvimento regular (612) ou baixo (89).

Como os demais índices que compõem o ranking da Firjan, o indicador de saúde melhorou em relação ao ano anterior: de uma média de 0,7534 em 2015 para 0,7655 em 2016. Essa alta, no entanto, foi a menos significativa de toda a década.

Entre todos os critérios que compõem a avaliação, a Firjan destaca que o atendimento pré-natal é o que mais precisa avançar. Em 2016, um terço das gestantes brasileiras não tiveram acesso ao número adequado de consultas recomendadas pelo Ministério da Saúde (pelo menos sete).

O volume de mortes infantis por causas evitáveis melhorou, mas também está longe do satisfatório. Naquele ano, foram mais de 27 mil crianças mortas por causas que poderiam ser evitadas com ações mais efetivas dos serviços de saúde.

A desigualdade entre as regiões também continua preocupante: na região Norte, 32,3% das cidades ficaram com avaliação regular ou baixa (muito acima da média nacional, que é de 12,6%). No Pará, esse percentual ficou em 53,8% (ou seja, 77 dos 143 municípios foram avaliados com desenvolvimento regular ou baixo).

No Nordeste estão os dois estados nos quais a maioria dos municípios recebeu avaliação regular ou baixa: Maranhão (com 54,8% de “reprovados”) e Bahia (51,8%).

RankingUFCidadePontuação
RSIlópolis0,9997
RSMontauri0,9997
PRCambira0,9932
RSVespasiano Corrêa0,9838
PRDiamante do Sul0,9837
RSCotiporã0,9829
RSBarracão0,982
PRNovo Itacolomi0,9811
RSSão José do Inhacorá0,9804
10ºRSSão Valentim do Sul0,9802
11ºRSMarau0,9799
12ºRSIbiaçá0,9794
13ºRSTravesseiro0,9791
14ºRSCamargo0,978
15ºRSColinas0,9777
16ºPRMarilândia do Sul0,9775
17ºRSSão João da Urtiga0,9772
18ºSPMirassolândia0,9768
19ºRSSanta Maria do Herval0,976
20ºRJPiraí0,9744
21ºRSVale do Sol0,9743
22ºESLaranja da Terra0,9739
23ºRSRelvado0,9724
24ºMGSantana do Deserto0,9723
25ºRSPicada Café0,9723
26ºPRCianorte0,9718
27ºRSCasca0,9714
28ºSPBálsamo0,9713
29ºSPLutécia0,9708
30ºPRTrês Barras do Paraná0,9704
31ºRSCoronel Pilar0,9704
32ºRSNova Boa Vista0,9702
33ºRSNova Bassano0,9701
34ºRSTapera0,9693
35ºPRCuritiba0,9685
36ºSPOscar Bressane0,9677
37ºMGOlaria0,9677
38ºRSAugusto Pestana0,9674
39ºSCPeritiba0,9673
40ºRSNova Bréscia0,9673
41ºRSPaverama0,9671
42ºPRCafelândia0,9666
43ºSPMendonça0,9665
44ºRSVila Maria0,9658
45ºRSTeutônia0,9654
46ºSPBorá0,9653
46ºRSNova Alvorada0,9653
48ºRSVale Real0,9651
49ºCEItaiçaba0,9651
50ºRSBento Gonçalves0,9649

 

Acompanhe tudo sobre:cidades-brasileirasParanáRio Grande do SulSaúdeSaúde no Brasil

Mais de Brasil

Barroso nega impor câmeras corporais a policiais de SP após 'compromisso' de Tarcísio

Lula cobra Anac e GOL por morte de cachorro em voo: 'Tem que prestar contas'

Após morte de cachorro, ministro vai convocar aéreas para endurecer regras no transporte de animais

CCJ do Senado aprova em primeiro turno projeto que reserva cotas para minorias em serviço público

Mais na Exame