Brasil

Argentina fecha acordo com Procuradoria para usar delações da Lava Jato

Casos relativos à Odebrecht tramitam no país e, com informações fornecidas pelo Brasil, será possível acusar ex-funcionários envolvidos em irregularidades

Por conter dados sigilosos, a íntegra do acordo firmado não pode ser divulgado, afirma PGR (foto/Wikimedia Commons)

Por conter dados sigilosos, a íntegra do acordo firmado não pode ser divulgado, afirma PGR (foto/Wikimedia Commons)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 16 de julho de 2018 às 17h13.

Última atualização em 16 de julho de 2018 às 17h13.

São Paulo - Um acordo de cooperação judicial firmado entre as procuradorias-gerais da República brasileira e argentina oficializa que os tribunais do país vizinho passarão a aceitar as delações premiadas e acordos de leniência firmados no Brasil no âmbito da Operação Lava Jato. Diversos casos relativos à empreiteira Odebrecht tramitam na Argentina e, com as informações e provas fornecidas pelo Brasil, será possível, pela primeira vez, acusar ex-funcionários envolvidos em irregularidades.

As informações foram divulgadas pela Secretaria de Comunicação Social da Procuradoria - por conter dados sigilosos, a íntegra do acordo firmado com a Argentina não pode ser divulgado.

A assinatura do documento, ocorrida na sexta-feira, 13, é resultado do trabalho da Secretaria de Cooperação Internacional do Ministério Público Federal (SCI/MPF).

Nos últimos seis meses, Cristina Romanó, que está à frente da SCI, intensificou as negociações. O objetivo era conseguir que os países chegassem a um entendimento comum sobre os termos da cooperação jurídica.

A Argentina estava resistente em conceder imunidade aos delatores em troca das informações, mas esse ponto foi superado graças às gestões da SCI.

"Depois de um trabalho longo de negociação e diálogo entre a SCI e autoridades argentinas, conseguimos chegar a um acordo para que as delações envolvendo corrupção na Argentina possam ser disponibilizadas aos procuradores de lá. Trata-se de um enorme avanço na relação de cooperação jurídica internacional entre os dois países e mais um grande passo na luta contra a corrupção", destaca Cristina Romanó.

Ela diz que o documento foi finalizado de forma a proteger os colaboradores e o conteúdo dos acordos celebrados no Brasil.

De acordo com informações da Secretaria de Cooperação Internacional, esse mesmo tipo de termo de compromisso - para envio de informações - já foi firmado com a Suíça, a Noruega e a Holanda.

O único país que ainda não aceitou oficialmente o compartilhamento de delações do Brasil foi Portugal.

Acompanhe tudo sobre:ArgentinaDelação premiadaNovonor (ex-Odebrecht)Operação Lava JatoPGR - Procuradoria-Geral da República

Mais de Brasil

Como é calculado o IPVA? Veja a conta

Justiça condena Lula e Boulos por propaganda antecipada em ato de 1º de Maio

Lula diz que deve sancionar PL que legaliza jogos de azar caso seja aprovado no Congresso

Revolta e incerteza marcam volta de alagamentos em Eldorado do Sul

Mais na Exame