Testes da vacina da Pfizer contra covid-19 começam em agosto no Brasil

Segundo a agência, o estudo prevê a inclusão de cerca de 29 mil voluntários

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nesta terça-feira os testes no Brasil de duas potenciais vacinas contra a covid-19 desenvolvidas em parceria entre a farmacêutica norte-americana Pfizer e a empresa de biotecnologia alemã BioNTech, e os ensaios devem começar com voluntários em São Paulo e na Bahia em agosto, informaram a agência reguladora e as empresas

As vacinas em estudo –BNT162b1 e BNT162b2– são baseadas em ácido ribonucleico (RNA), que codifica um antígeno específico do vírus Sars-CoV-2. O RNA é traduzido pelo organismo humano em proteínas que irão então induzir uma resposta imunológica, conforme a agência.

O estudo prevê a inclusão de cerca de 29 mil voluntários, sendo 1 mil no Brasil, distribuídos nos Estados de São Paulo e Bahia.

Em comunicado, a Pfizer e a BioNTech disseram que os estudos no Brasil serão realizados no Centro Paulista de Investigação Clínica (Cepic), em São Paulo, e na Instituição Obras Sociais Irmã Dulce, na Bahia.

As empresas disseram ainda que a escolha de fazer os testes em voluntários no Brasil ocorreu por causa da capacidade local, da experiência do país neste tipo de estudo e na epidemologia da Covid-19 no Brasil.

“Estamos orgulhosos em ter voluntários brasileiros participando nesse esforço global de pesquisa, que pode desempenhar um papel crítico na luta contra a Covid-19. Estamos confiantes no sucesso de nosso estudo e que a ciência vencerá essa pandemia”, disse o investigador líder do estudo, Edson Moreira, de acordo com comunicado das empresas.

Na véspera, a Pfizer e a BioNTech haviam relatado dados adicionais de sua vacina experimental contra o coronavírus, que mostraram ser segura e induziu resposta imunológica nos pacientes.

Os resultados se referiam a um teste feito na Alemanha com 60 voluntários saudáveis e foram divulgados após as companhias anunciarem neste mês dados de um teste em estágio inicial correspondente feito nos Estados Unidos.

Este é o terceiro estudo de vacina contra o novo coronavírus autorizado pela Anvisa no Brasil.

No dia 2 de junho, a agência havia autorizado o ensaio clínico, liderado pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, em parceria com a farmacêutica AstraZeneca, e no dia 3 de julho foi aprovado o teste da vacina desenvolvida pela empresa chinesa Sinovac, em parceria com o Instituto Butantan, que chefiará os testes.

Segundo a agência, o ensaio clínico aprovado nesta terça é para um estudo de fases 1, 2 e 3 que vai avaliar a eficácia das vacinas candidatas de RNA de Sars-CoV-2 contra Covid-19 em adultos. O ensaio clínico é composto por três estágios e o Brasil participará do estágio 3, que corresponde à fase 2/3 do estudo.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.