Acompanhe:

A Amazônia enfrenta um recorde de focos de incêndio para o mês de fevereiro, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), órgão do Ministério da Ciência e Tecnologia. Com 2.924 pontos de queimadas identificados pelas imagens de satélite até o último dia 26, a quantidade é a maior desde o início da série histórica, iniciada em 1999.

No 2º semestre de 2023, algumas regiões da floresta, como no Amazonas, tiveram picos de incêndios. A própria gestão Luiz Inácio Lula da Silva (PT) admitiu ao Estadão que a estrutura de combate ao fogo era insuficiente, embora tivessem contratado mais brigadistas. Especialistas já alertavam para os efeitos do El Niño na região, que tem a estiagem agravada pelo fenômeno climático.

Embora tenha baixado pela metade o desmatamento em 2023, o insucesso na prevenção de incêndios tem pressionado o governo, que prometeu ter a proteção ambiental como uma de suas principais bandeiras. Procurado pela reportagem, o Ministério do Meio Ambiente ainda não se manifestou.

Na comparação com todo o mês de fevereiro do ano passado (734 focos), a Amazônia registra alta de 298% de focos de incêndio em um ano. O número deste ano pode aumentar até o fechamento do mês na quinta-feira, 29. Os dados são atualizados todos os dias pelo Inpe.

Na maior parte da Amazônia, a estação seca começa em julho, com ápice em agosto, e vai até outubro. Nessa época, a vegetação e a matéria orgânica no solo ficam propícias à queima. Isso, somado ao ar menos úmido, espalha as chamas com mais rapidez e dificulta o combate.

Por ser uma floresta úmida, especialistas destacam que dificilmente a floresta pega fogo sozinha e a maioria das queimadas envolve ação humana criminosa. Em grande parte dos casos, os incêndios servem para abrir novas áreas de pastagem.

A preservação do bioma, a floresta tropical com maior biodiversidade do planeta, é considerada fundamental para frear o agravamento das mudanças climáticas. A maior fonte de origem dos gases de efeito estufa lançados pelo Brasil na atmosfera é o desmate.

Outros biomas

  • Pantanal: de 9 em fevereiro do ano passado, passou para 69 em fevereiro de 2024 (até o dia 26)
  • Caatinga: de 185 em fevereiro de 2023, passou para 146 em fevereiro de 2024 (até o dia 26), baixa de aproximadamente 21%.
  • Cerrado: de 759 em fevereiro de 2023, passou para 627 em fevereiro de 2024 (até o dia 26), redução de aproximadamente 17%.
  • Pampa: de 77 em fevereiro de 2023, passou para 32 em fevereiro de 2024 (até o dia 26), uma baixa de aproximadamente 58%.
  • Mata Atlântica: de 271 em fevereiro de 2023, passou para 320 em fevereiro de 2024 (até o dia 26), uma alta de aproximadamente 18%.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
O cenário de 'casamento' de Lula e Macron é exemplo de empreendedorismo com chocolate da Amazônia
seloNegócios

O cenário de 'casamento' de Lula e Macron é exemplo de empreendedorismo com chocolate da Amazônia

Há 4 dias

Alckmin diz a Macron que compromisso do Brasil na Amazônia é com desmatamento zero
Brasil

Alckmin diz a Macron que compromisso do Brasil na Amazônia é com desmatamento zero

Há uma semana

Banco da Amazônia busca aumento de capital para elevar a oferta de crédito na região Norte
ESG

Banco da Amazônia busca aumento de capital para elevar a oferta de crédito na região Norte

Há uma semana

Lula diz que indígenas têm ‘pouca terra’ no Brasil e cobra dinheiro de países que desmataram
Brasil

Lula diz que indígenas têm ‘pouca terra’ no Brasil e cobra dinheiro de países que desmataram

Há uma semana

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais