Acompanhe:

AGU irá investigar fake news envolvendo exploração sexual infantil na Ilha de Marajó

"Os marajoaras merecem respeito e um tratamento digno de todo o Poder Público. O Governo Federal está empenhado em apurar denúncias sérias para desarticular redes de tráfico humano e exploração sexual e infantil em todo o território nacional", disse Jorge Messias, da AGU

Modo escuro

Continua após a publicidade
Ilha do Marajó (ICMBio/Divulgação)

Ilha do Marajó (ICMBio/Divulgação)

Chefe da Advocacia-Geral da União, Jorge Messias anunciou neste sábado (24) que acionou a Procuradoria Nacional da União de Defesa da Democracia (PNDD) para atuar na identificação de "redes de desinformação, que criam desordem informacional sobre a Ilha de Marajó".

Na última semana, a exploração infantil na região viralizou nas redes sociais após a apresentação de Aymeê Rocha no programa "Dom reality", quando cantou a sua música "Evangelho de fariseus", ser compartilhada por famosos como Virgínia Fonseca, Juliette e Rafa Kalimann, e políticos como Nikolas Ferreira e Damares Alves.

"Os marajoaras merecem respeito e um tratamento digno de todo o Poder Público. O Governo Federal está empenhado em apurar denúncias sérias para desarticular redes de tráfico humano e exploração sexual e infantil em todo o território nacional", continou Messias em publicação no X (antigo Twitter). "Protejamos as nossas crianças sem a propulsão de notícias falsas."

Na sexta (23), o ministro dos Direitos Humanos, Silvio Almeida, já havia anunciado que iria acionar a AGU no caso.

"Solicitei à AGU que avalie a tomada de providências legais diante de mais uma tentativa de vincular Marajó ao grave problema do abuso e exploração infantil. É preciso saber a quem interessa a divulgação de mentiras sobre a atuação dos governos na região", compartilhou Almeida no X.

No mesmo dia, o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, criticou as "ideias preconceituosas" na campanha repercutida por famosos e o Ministério dos Direitos Humanos publicou um "alerta de fake news", para desmentir a informação de que o governo teria cancelado programas sociais para o Marajó.

Entenda o caso

Durante a participação no reality evangélico, Aymeê Rocha cantou sua música que faz referências ao tema de exploração sexual infantil na Ilha do Marajó. Depois, aos jurados do programa, ela disse que o local, onde mora, sofre com problemas de tráfico de órgãos e "pedofilia em nível hard”:

— As criancinhas de 6 e 7 anos saem numa canoa e se prostituem no barco por R$ 5 — afirmou Aymeé no vídeo, que já teve mais de 2 milhões de visualizações.

A repercussão do vídeo fez reacender denúncias antigas de Damares. Em 2019, a ex-ministra da Família e dos Direitos Humanos citou a ideia do programa "Abrace o Marajó", para combater o problema de prostituição infantil, lançado oficialmente em 2020. Mas, como O GLOBO mostrou em 2022, nenhum centavo foi gasto pelo projeto. No primeiro ano de seu terceiro mandato, o governo Lula revogou o programa e o substituiu pelo "Cidadania Marajó", para levar políticas sociais à região.

Em 2022, sem provas, Damares chegou a dizer que crianças marajoaras tinham seus dentes removidos para facilitar o sexo oral, o que fez com que fosse denunciada pelo MPF por danos sociais e morais coletivos supostamente causados à população da ilha, com um pedido de R$ 5 milhões de indenização.

Nos últimos dias, além do vídeo da canções, inúmeras montagens de imagens falsas vêm sendo compartilhadas nas redes bolsonaristas. O dos vídeos mais compartilhados traz um caso fora de contexto, que ocorreu, na verdade, no Uzbequistão, quando uma professora foi presa após transportar dezenas de crianças em um carro. O deputado federal Carlos Jordy (PL), investigado no inquérito que apura responsáveis por financiar e organizar atos antidemocráticos de 8 de janeiro, foi uma das pessoas que compartilhou a montagem.

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Médico brasileiro detido por assédio no Egito tem registro suspenso por violação do código de ética
Brasil

Médico brasileiro detido por assédio no Egito tem registro suspenso por violação do código de ética

Há 2 semanas

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais